Arquivo diário: 28 de outubro de 2010

Dilma e Franklin Martins Confessam Seus Crimes no Regime Militar

Madre Teresa de Calcutá – Enquanto ateus culpam Deus pelo sofrimento

http://mnlpdr.files.wordpress.com/2010/09/madre-teresa-e-pobres5b15d.jpg?w=300

Agnes Gouxha Bojaxhiu, madre Teresa de Calcutá, nasceu, no dia 27 de agosto de 1910, em Skopje, Iugoslávia, de pais albaneses. Seus pais, Nicolau e Rosa, tiveram três filhos. Na época escolar, Agnes tornou-se membro de uma associação católica para crianças, a Congregação Mariana, onde cresceu em ambiente cristão. Aos doze anos, já estava convencida de sua vocação religiosa, atraída pela obra dos missionários.

Agnes pediu para ingressar na Congregação das Irmãs de Loreto, que trabalhavam como missionárias em sua região. Logo foi encaminhada para a Abadia de Loreto, na Irlanda, onde aprenderia o inglês e depois seria enviada à Índia, a fim de iniciar seu noviciado. Feitos os votos, adotou o nome Teresa, em homenagem à carmelita francesa, Teresa de Lisieux, padroeira dos missionários.

Primeiramente, irmã Teresa foi incumbida de ensinar história e geografia no colégio da Congregação, em Calcutá. Essa atividade exerceu por dezessete anos. Cercada de crianças, filhas das melhores famílias de Calcutá, impressionava-se com o que via quando saia à rua: pobreza generalizada, crianças e velhos moribundos e abandonados, pessoas doentes sem a quem recorrer.

O dia 10 de setembro de 1946 ficou marcado na sua vida como o “dia da inspiração”. Numa viagem de trem ao noviciado do Himalaia, percebeu que deveria dedicar toda a sua existência aos mais pobres e excluídos, deixando o conforto do colégio da Congregação.

E assim fez. Irmã Teresa tomou algumas aulas de enfermagem, que julgava útil a seu plano, e misturou-se aos pobres, primeiro na cidade de Motijhil. A princípio, juntou cinco crianças de um bairro miserável e passou a dar-lhes escola. Passados dez dias, já se somavam cinqüenta crianças. O seu trabalho começou a ficar conhecido e a solidariedade do povo operava em seu favor, com donativos e trabalho voluntário.

Para irmã Teresa, o trabalho deveria continuar a dar frutos sem depender apenas das doações e dos voluntários. Seria necessário às suas companheiras que tivessem o espírito de vida religiosa e consagrada. Logo, uma a uma ouviram o chamado de Deus para entregarem-se ao serviço dos mais pobres. Nascia a Congregação das Missionárias da Caridade, com seu estatuto aprovado em 1950. E ela se tornou madre Teresa, a superiora.

As missionárias saíram às ruas e passaram a recolher doentes de toda espécie. Para as irmãs missionárias, cada doente, cada corpo chagado representava a figura de Cristo, e sua ajuda humanitária era a mais doce das tarefas. Somente com essa filosofia é que as corajosas irmãs poderiam tratar doentes de lepra, elefantíase, gangrena, cujos corpos, em putrefação, eram imagens horrendas que exalavam odores intoleráveis. Todos eles tinham lugar, comida, higiene e um recanto para repousar junto às missionárias.

Reconhecido universalmente, o trabalho de madre Teresa rendeu-lhe um prêmio Nobel da Paz, em 1979. Esse foi um dos muitos prêmios recebidos pela religiosa devido ao seu trabalho humanitário. Nesse período, sua obra já se havia espalhado pela Ásia, Europa, África, Oceania e Américas.

No dia 5 de setembro de 1997, madre Teresa veio a falecer, na Índia. A comoção foi mundial. Uma fila de quilômetros formou-se durante dias a fio, diante da igreja de São Tomé, em Calcutá, onde o seu corpo estava sendo velado. Ao fim de uma semana, o corpo da madre foi trasladado ao estádio Netaji, onde o cardeal Ângelo Sodano, secretário de Estado do Vaticano, celebrou a missa de corpo presente.

Em 2003, o papa João Paulo II, seu amigo pessoal, ao comemorar o jubileu de prata do seu pontificado, beatificou madre Teresa de Calcutá, reconhecida mundialmente como a “Mãe dos Pobres”. Na emocionante solenidade, o sumo pontífice disse: “Segue viva em minha memória sua diminuta figura, dobrada por uma existência transcorrida a serviço dos mais pobres entre os mais pobres, porém sempre carregada de uma inesgotável energia interior: a energia do amor de Cristo”.

https://i0.wp.com/www.excerptsofinri.com/images/madre-teresa3.jpghttps://i0.wp.com/vivopelavida.com.br/wp-content/uploads/2010/01/1067879134991.jpghttp://mnlpdr.files.wordpress.com/2010/09/madre-teresa.jpg?w=216&h=286https://i1.wp.com/blog.cancaonova.com/soudedeus/files/2009/05/garoto_e_m_teresa.jpghttp://mnlpdr.files.wordpress.com/2010/09/madre-teresa-e-pobres5b15d.jpg?w=244&h=184

 

 

 

 

 

Fonte:http://mnlpdr.wordpress.com/2010/09/05/madre-teresa-de-calcuta-enquanto-ateus-culpam-deus-pelo-sofrimento/

Nada de novo no front: mais um vídeo ateu… que demonstra como o discurso é facilmente mapeável.

Ontem, navegando pela internet, achei o vídeo acima postado no Youtube. Era uma propaganda de um militante do ateísmo. Esperei para analisar e o que vejo? Um festival de alegações já analisadas. Vamos vê-las:

1. Todos são ateus: O velho slogan de que “Se você não acredita em Tupã, você é ateu também”. A “cosmovisão” do ateu nega a existência de qualquer Deus. Se você é partidário de uma “cosmovisão” que engloba algum deus, já não pode ser considerado, de maneira alguma, ateu. Ou seja, bobagem pura. Serve como frase de efeito, não como argumentação lógica.

1.5. Pluralismo Religioso: essa idéia de que “todos são ateus” não deixa de ser uma versão do Pluralismo Religioso, pois tem seu fundamento na idéia de que todas as crenças religiosas são absolutamente iguais e que, ao não aceitar uma versão, você derruba todas. No link, explico melhor a situação.

2. Monstro do Espaguete Voador: o velho Espaguete Voador. Mas de quem será que estamos falando? Do Monstro feito com bolas de carne ou ele acredita exatamente no mesmo modelo objetivamente dos cristãos, só com um outro nome de fantasia?

3. Baixarias na Biologia: Tentativa de idolatrização de Darwin e extrapolação da Teoria da Evolução como validador de ateísmo/invalidação de religião. É um ERRO, pois a veracidade ou não das religiões não entra no escopo da Teoria da Evolução.  Vejam que o autor do vídeo chegou ao ponto de considerar Darwin como um Deus (!!!). Alias, essa postura de “Darwin nos livrou das religiões” lembra muita a frase de Richard Dawkins no livro O relojeiro Cego: “só depois de Darwin é possível ser um ateu intelectualmente satisfeito.” (pág. 13, cap. 1). Será só coincidência?

4. “Seja livre, seja ateu”: Auto-ajuda e Self-selling, mais ou menos no molde “Ateus são fortes, Teístas são fracos” . Tentativa piegas de comoção. Alguém leva essas tentativas de vender ateus como melhores sem evidências a sério?

A facilidade de refutar o discurso ateu/neo-ateu se deve à popularização do ateísmo. Livros como o de Dawkins foram escritos para o “povão” (basta lembrar que ele diz no prefácio que, se o livro comentasse questões eruditas de teologia, “teria sido mais que um best-seller- surpresa: teria sido um best-seller milagroso” e que seu objetivo era levar os leitores religiosos para o ateísmo) não para pessoas com alguma base filosófica. E quanto mais “pop” é uma ideologia, mais vulnerável ela fica. Para refutar o discurso de fãs de Richard Dawkins, só é preciso de um checklist de falácias, de truques e conhecer dialética erística.

Depois da popularização da internet, um teísta só cai em armadilhas retóricas desse tipo por apenas um motivo:  se ele mesmo quiser.

Fonte:http://quebrandooencantodoneoateismo.wordpress.com/2010/09/07/nada-de-novo-no-front-mais-um-video-ateu-que-demonstra-como-o-discurso-e-facilmente-mapeavel/

Olavo de Carvalho: A guerra contra as religiões

fidel_humanista

A guerra contra as religiões

Olavo de Carvalho
Diário do Comércio, 23 de janeiro de 2006

Embora desde a Revolução Francesa o grosso da violência militante tenha se originado sempre nas ideologias materialistas e escolhido como vítima preferencial a população religiosa; embora a perseguição aos católicos, ortodoxos, protestantes e judeus tenha matado mais gente só no período de 1917 a 1990 do que todas as guerras religiosas somadas mataram ao longo da história universal; embora nas duas últimas décadas o morticínio de cristãos tenha voltado a ser rotina nos países comunistas e islâmicos, chegando a fazer 150 mil vítimas por ano; embora todos esses fatos sejam de facílima comprovação e de domínio público (v. nota no fim deste artigo); e embora nas próprias nações democráticas o acúmulo de legislações restritivas exponha os religiosos ao perigo constante das perseguições judiciais, — a grande mídia e o sistema de ensino na maior parte dos países insistem em continuar usando uma linguagem na qual religião é sinônimo de violência fanática e na qual a eliminação de todas as religiões é sugerida ao menos implicitamente como a mais bela esperança de paz e liberdade para a humanidade sofrida.

A mentira gigantesca em que se sustenta essa campanha é tão patente, tão ostensiva, tão cínica, que combatê-la só no campo das discussões públicas é o mesmo que querer parar um assassino, ladrão ou estuprador mediante a alegação polida de que seus atos são ilegais. Os mentores e autores da campanha anti-religiosa universal sabem perfeitamente que estão mentindo. Não precisam ser avisados disso. Precisam é ser detidos, desprovidos de seus meios de agressão, reduzidos à impotência e tornados inofensivos como tigres empalhados.

A propaganda insistente contra uma comunidade exposta a risco não é simples expressão de opiniões: é ação criminosa, é cumplicidade ostensiva ou disfarçada com o genocídio. Aqueles que a praticam não devem ser apenas contestados educadamente, como se tudo não passasse de um pacífico debate de idéias: devem ser responsabilizados judicialmente por crimes contra a humanidade. A jurisprudência acumulada em torno das atrocidades nazistas, unânime em condenar a cumplicidade moral mesmo retroativa, fornece base mais que suficiente para condenar, por exemplo, um Richard Dawkins quando sai alardeando que o judaísmo e o cristianismo são “abuso de menores”, como se a noção mesma da proteção à infância não tivesse sido trazida ao mundo por essas religiões e como se elas não fossem, hoje, o último obstáculo à erotização total da infância e à subseqüente legalização universal da pedofilia (já praticamente institucionalizada no Canadá, um dos países mais ateus do universo).

Quando o sr. Dawkins se diz avesso ao uso de meios violentos para extinguir as religiões, mas propõe os mesmos objetivos ateísticos que há dois séculos buscam realizar-se precisamente por esses meios, ele sabe perfeitamente que a ênfase do seu discurso, e portanto seu efeito sobre a platéia, está na promoção dos fins e não na seleção dos meios. Voltaire, quando bradava “esmagai a infame”, negava estar incitando quem quer que fosse à violência física contra a Igreja Católica. Mas, quando os revolucionários de 1789 saíram incendiando conventos, destripando freiras e decapitando bispos, era esse grito que ecoava nos seus ouvidos e saía pelas suas bocas. Se a religião é, segundo o sr. Dawkins, “o maior de todos os crimes”, a matança de todos os religiosos terá sempre o atenuante da gravidade menor e o da sublime intenção libertadora. Quando no começo do século XX Edouard Drumont escrevia “ La France Juive”, ele não tinha em mente nenhuma crueldade a ser praticada coletivamente contra os judeus. Mas é impossível ler hoje suas páginas sem sentir o cheiro das câmaras de gás. Uma única e breve página vagamente anti-semita escrita por Winston Churchill na juventude precipitou-o numa tal crise de arrependimento, diante da ascensão do nazismo, que isso decidiu o restante da sua vida de líder e combatente. Drumont, que morreu em 1917, não poderia ter adivinhado o destino que os leitores dos seus livros dariam aos judeus. Mas o sr. Dawkins não precisa adivinhar o futuro para calcular o efeito de suas palavras: ele conhece a história do século XX, ele sabe a que resultados levam não somente as propostas explícitas como a de Lênin, “varrer o cristianismo da face da Terra”, mas também o anticristianismo mais sutil, mais sofisticado de um Heidegger, que, pretendendo expulsar Deus para fora da metafísica, convocou Adolf Hitler para dentro da História. O homem que, sabendo de tudo isso, se oferece para gravar programas de TV que apresentam a religião como a raiz de todos os males, como se os mais amplos morticínios da História não fossem males de maneira alguma, esse homem é simplesmente um apologista do genocídio, um criminoso vulgar como qualquer neonazista de arrabalde.

O sr. Dawkins já ultrapassou aquele limite da truculência mental e do desprezo à verdade, para além do qual toda a discussão de idéias se torna inútil. Não se trata de provar nada para o sr. Dawkins. Trata-se de provar seu crime perante os tribunais. O dele e o de inumeráveis organizações militantes, subsidiadas por fundações bilionárias, dedicadas a fomentar por todos os meios o ódio às religiões.

Todas as organizações religiosas que não se mobilizarem para a defesa comum não só no campo midiático, mas no judicial, devem ser consideradas traidoras, colaboracionistas e vendidas ao inimigo. E não espanta que usem para legitimar sua covardia abominável o pretexto do perdão e da caridade, prostituindo o sentido da mensagem evangélica que manda cada um de nós perdoar as ofensas feitas a ele próprio, nunca pavonear-se de cristão mediante o expediente fácil de perdoar crimes cometidos contra terceiros, que aliás nunca lhe deram procuração para isso. Não é um discípulo de Jesus aquele que, vendo seu irmão ser esbofeteado, se apressa em cortejar o agressor ofecendo-lhe a outra face da vítima.

Fontes sobre a perseguição anti-religiosa

Livros:

· David Limbaugh, Persecution: How Liberals Are Waging War Against Christianity (Washington, Regnery, 2003).

· Roy Moore, So Help Me God: The Ten Commandments, Judicial Tyranny, and The Battle for Religions Freedom (Nashville, Tennessee, Broadman & Holman, 2005).

· Janet L. Folger, The Criminalization of Christianity (Systers, Oregon, Multnomah, 2005).

· Rabbi David G. Dalin, The Myth of Hitler’s Pope (Washington DC, Regnery, 2005).

· David B. Barrett & Todd Johnson, World Christian Trends, Ad 30-Ad 2200: Interpreting the Annual Christian Megacensus. William Carey Library, Send the Light Inc, 2003.

· E. Michael Jones, Libido Dominandi: Sexual Liberation and Political Control (South Bend, Indiana, St. Augustine’s Press, 2000).

Internet:

· http://www.christianpersecution .info/

· http://zbh.com/links/martyred .htm

· http://www.freedomhouse.org /religion/

· http://www.christianmonitor .org/

· http://www.worship.com/help/

· http://www.wayoflife.org/fbns /state.htm

· http://www.thegreatseparation .com/newsfront/christian _persecution/

· http://www.persecution.com/

· http://www.jews4fairness.org /index.php

· http://www.wnd.com (site de notícias em geral, acompanha regularmente as notícias de perseguição religiosa no mundo).

****

Link para o artigo original: http://www.olavodecarvalho.org/semana/060123dc.htm

Visite também a comunidade de Olavo de Carvalho no orkut e veja seus comentários em vídeo no Youtube

Fonte:http://quebrandooencantodoneoateismo.wordpress.com/2010/10/27/olavo-de-carvalho-a-guerra-contra-as-religies/