Arquivo diário: 10 de maio de 2011

Culpando a religião pelas guerras… Não tão rápido assim

Uma das alegações sociológicas contra a religião que costumam aparecer em debates é que “a religião é má, pois causou a maior parte das guerras da humanidade” (ou variando em detalhes, sendo o essencial isso).

Como é evidente, essa alegação não pode passar sem um crivo cético de análise.

Será mesmo que tantas guerras assim foram causadas pela religião? Como saber se foram ou não?

O meu critério é simples: para algo ser “uma guerra religiosa”, deve ser um fato SUFICIENTEMENTE causado por uma crença religiosa.

Caso contrário, não será uma “guerra religiosa” e sim um conflito COMUM, dotado de elementos acessórios relacionados com à religião.

Aplicando o critério, vejamos o caso prático (e similar, já que não é uma guerra) de Wellington, atirador do Rio de Janeiro. Ele possuía (1) graves distúrbios psicológicos e (2) sofreu humilhações (principalmente por parte de garotas, até onde se sabe) e, ao que parece, (3) era uma Testemunha de Jeová convertida ao Islamismo.

A partir daí, ele resolveu se vingar do mundo e matar várias garotas e garotos (mas especialmente garotas) numa escola desprotegida.

Agora vamos imaginar um contrafactual constituído de um cenário onde ele tenha sido criado por pais ateus, mas tenha sofrido as mesmas influências de (1) e (2).

O fato de ele ter sido criado no ateísmo (ou no neo-ateísmo) IMPEDE ele de causar o mesmo evento nesse mundo possível? Não vejo porque dizer que impede. Se foi suficientemente causado por algo, foi por (1) e (2). Tire a doença mental dele (que gerou agressividade) e as humilhações (que retira a necessidade de vingança) e imagine o que acontece. Aí sim é difícil pensar que ele atacaria a escola. Mas o fato dele ser ateu ou religioso está mais para um elemento acessório (que variam de acordo com o lugar e a situação) do que para fator causador do evento.

Assim, culpar a “religião” pelo evento é picaretagem intelectual.

O mesmo vale para o neo-ateu. Se ele não trouxer uma listagem de todas guerras já existentes, explanando-as em detalhes e demonstrando que não existe contrafactuais onde o evento poderia ter acontecido sem a religião, não é uma “guerra religiosa”.

Será que ele consegue (e tem o dado) ou é uma bobagem aprendida pelo senso comum vindo de professores marxistas e etc?

Algumas vezes vemos esse tipo de argumento sendo utilizado. Por exemplo, a campanha da ATEA utiliza a imagem do 11/09 (segunda imagem, na parte de cima):


Claro que podemos facilmente parodiar, lembrando também dos genocídios cometidos por ateus:

E antes que alguém diga que esses eventos “não tinham relação com o ateísmo, mas com a ideologia comunista”, faço a referência para meu post onde já refutei essa reclamação: Marxistas mataram por influência de tudo, menos do ateísmo

E os neo-ateus ainda tem MAIS alguns problemas para lidar.

O primeiro deles é que críticas sociológicas para a religião são apenas… críticas sociológicas para a religião. Essa crítica não valida o ateísmo, nem obriga a pessoa a deixar de ser religiosa ou a torna injustificada em o ser. Lembrem-se do seguinte artigo, onde já expliquei o assunto: Críticas sociológicas a religião validam o ateísmo

Ou seja… não é com falácias ad consequentiam que você vai vencer o debate.

E se ele não acredita em valores morais reais (v. Um pouco sobre teoria moral objetiva e subjetiva), como ele pode criticar moralmente dessa forma supostas “guerras religiosas”? Desde quando se utiliza uma ILUSÃO (social ou individual) para formar um argumento?

Se ele não providenciar um base objetiva consistente para o mal no ateísmo, a coisa já para por aí. Não é preciso discutir mais, pois ele mesmo se enforca.

Além do fato, é claro, de assassinatos como esses serem cometidos CONTRA a moral religiosa. Se eu mato outra pessoa, eu estou indo CONTRA as regras do Cristianismo. Ou seja, se eu tivesse o seguido, não teria cometido o ato.

Eu até podia aproveitar a deixa para fazer mais uma imagem dos “loops”, colocando de um lado “A moral é só uma adaptação de acordo com o tempo e o lugar, sem valor real” e do outro “A religião é imoral e precisa ser exterminada da história humana”…

Enfim, seja como for, só uma dose de ceticismo já destrói a fraude das “guerras religiosas”.

Fonte:http://quebrandoneoateismo.com.br/2011/04/27/culpando-a-religio-pelas-guerras-no-to-rpido-assim/#comment-3653