Arquivo diário: 11 de julho de 2011

Porque todo Padre deveria obedecer à Igreja e vestir o hábito ou o colarinho romano

1. O colarinho romano é um sinal de consagração sacerdotal ao Senhor. Como um anel de casamento distingue marido e mulher e simboliza a união de que gozam, de mesmo modo o colarinho romano identifica bispos e padres (e muitas vezes diáconos e seminaristas) e manifesta a sua proximidade com o Divino Mestre, em virtude de seu livre consentimento para o ministério ordenado para o qual que tenham sido (ou pode ser) chamado.

2. Pela utilização de roupa do ofício e por não possuir roupas em excesso, o sacerdote demonstra a adesão ao exemplo do Senhor de pobreza material. O sacerdote não escolhe suas roupas – a Igreja o faz, graças a sua sabedoria acumulada ao longo dos últimos dois milénios.

3. Humilde aceitação do desejo da Igreja que o sacerdote ao vestir  a batina e o colarinho romana ilustra por uma apresentação saudável à autoridade e conformidade com a vontade de Cristo, expressa através da sua Igreja.

4. A lei da Igreja exige que clérigos usem roupas clérigas, conforme número 66 do Diretório para sacerdotes, que se cita no cânon 284.

5. O uso do colarinho romano é um desejo repetido ardente pelo falecido papa João Paulo II. O desejo do então Santo Padre, hoje beatificado, a esse respeito não pode ser sumariamente demitido, ele fala com um carisma especial na função de líder da Santa Igreja. Ele freqüentemente lembrava aos sacerdotes o valor do uso do colarinho. Em uma carta datada aos 8 de setembro de 1982 ao Cardeal Ugo Poletti, seu vigário para a Diocese de Roma, o Pontífice instruiu-o a promulgar normas sobre o uso do colarinho romano e hábito religioso, observou que a veste clériga é valiosa, “não só porque contribui para a adequação do padre em seu comportamento externo ou no exercício do seu ministério, mas sobretudo porque dá evidência dentro da comunidade eclesiástica do testemunho público ao qual cada sacerdote é chamado a dar de sua própria identidade e que pertencem especialmente a Deus.

6. “Em uma homilia em Novembro 1982, o Papa dirigindo-se a um grupo de diáconos transitórios os quais ele estava prestes a ordenar ao sacerdócio, disse que se eles tentassem ser como outra pessoa qualquer em seu “estilo de vida” e na “maneira de vestir”, então sua missão como sacerdotes de Jesus Cristo não poderia ser plenamente realizada.

7. O colarinho romano impede “mensagens contraditórias”; outras pessoas irão reconhecer as intenções do padre quando ele se vê no que poderia parecer circunstâncias comprometedoras. Vamos supor que um padre seja obrigado a fazer visitas pastorais a prédios de apartamentos diferentes em uma área onde o tráfico de drogas ou prostituição é prevalecente. O colarinho romano envia uma mensagem clara a todos que o padre chegou para ministrar aos doentes ou necessitados em nome de Cristo. Especulações ociosas podem ser desencadeadas por um sacerdote conhecido por moradores do bairro ao visitar casas apartamentos vestido como um leigo.

8. O colarinho romano inspira outros a evitarem a imodéstia no vestir, bem como palavras e ações e lembra-nos da necessidade de decoro público. Um padre alegre, mas diligente e sério, pode obrigar aos outros a fazerem um balanço da maneira pela qual se conduzem. O colarinho serve como um desafio necessário para tempos de afogamento na impureza, exibida pela vestes sugestivas, pelo discurso blasfemo e ações escandalosas.

9. O colarinho romano é uma ‘proteção’ para a vocação ao lidar com fiés do sexo oposto. Um padre sem seu colarinho (e, naturalmente, não usando uma aliança de casamento) pode parecer um alvo atraente para os afetos de uma mulher solteira à procura de um marido, ou para uma mulher casada tentada a infidelidade.

10. O colarinho romano oferece uma espécie de “salvaguarda” para si mesmo e fornece um lembrete para o próprio sacerdote de sua missão e identidade: testemunhar a Jesus Cristo, o Grande Sumo Sacerdote, como um de seus irmão-sacerdotes.

11. Um padre em um colarinho romano é uma inspiração para outros que pensam: “Aqui esta um discípulo moderno de Jesus.” O colarinho fala da possibilidade de fazer um compromisso sincero e duradouro com Deus. Fiéis de diversas idades, nacionalidades e temperamentos vão notar a virtuosa vida centrada no próximo que o homem que de bom grado e orgulhosamente veste a roupagem de um padre católico e, talvez, venham a perceber que eles também podem consagrar-se denovo, ou pela primeira vez, ao amoroso Bom Pastor.

12. O colarinho romano é uma fonte de intriga benéfica para os não-católicos. A maioria dos não-católicos não têm experiência com os ministros que vestem trajes clericais. Portanto, os sacerdotes católicos em virtude de suas vestes podem levá-los a refletir – mesmo que seja apenas de um modo superficial – sobre a Igreja e o que ela implica.

13. Um sacerdote vestido como a Igreja quer é um lembrete de Deus e do sagrado. O pântano secular vigente não é gentil com as imagens que conotam o Todo-Poderoso, a Igreja, etc… Quando alguém usa o colarinho, os corações e mentes dos outros são invariavelmente elevados ao “Ser Superior”, que geralmente é relegado a uma nota pequena na agenda da cultura contemporânea.

14. O colarinho romano é também um lembrete para o padre que ele “nunca é não um sacerdote.” Com tanta confusão prevalecente hoje, o colarinho pode ajudar o sacerdote a evitar as dúvidas internas a respeito de quem ele é. Dois guarda-roupas diferentes podem facilmente suscitar – e muitas vezes o fazem – a dois estilos de vida, ou mesmo duas personalidades distintas.

15. Um padre em um colarinho romano é uma mensagem de vocação ambulante. A visão de um padre, alegre feliz com confiança andando na rua pode ser um ímã a atrair jovens a considerarem a possibilidade de que Deus está lhes chamando ao sacerdócio. Deus faz o chamado, o sacerdote é simplesmente um sinal visível que Deus usará para atrair os homens para si.

16. O colarinho romano faz com que o padre esteja disponível para os Sacramentos, sobretudo da Confissão e da Unção dos Enfermos, e em situações de crise. Porque o colarinho dá reconhecimento imediato, sacerdotes que usam-no tornam-se mais aptos a serem abordados, particularmente quando seriamente necessário. Adeptos ao colarinho podem testemunhar quanto a serem solicitados para os Sacramentos e convocados para assistência em aeroportos, cidades populosas e vilarejos isolados, pois foram imediatamente reconhecidos como sacerdotes católicos.

17. O colarinho romano é um sinal de que o padre está se esforçando para tornar-se santo, vivendo a sua vocação sempre. É um sacrifício de fazer-se sempre disponível a todas as almas, pois são publicamente identificados como um sacerdotes, mas esse é um sacrifício agradável a Nosso Divino Senhor. Somos lembrados de como o povo veio a ele, e como ele nunca os rejeitou. Há tantas pessoas que serão beneficiadas pelo sacrifício do padre que incessantemente luta para ser santo.

18. O colarinho romano serve como um lembrete para aqueles católicos “alienados” não se esquecerem de sua situação irregular e de suas responsabilidades para com o Senhor. O padre é uma testemunha – para o bem ou para o mal – a Cristo e sua Santa Igreja. Quando um “decaído” vê um padre, ele é estimulado a lembrar que a Igreja continua a existir. Um padre alegre fornece um lembrete salutar da Igreja.

19. O uso de roupa clerical às vezes é um sacrifício, especialmente em climas quentes. A melhores mortificações são aquelas que não procuramos. Submeter-se ao desconforto do calor e da umidade pode ser uma reparação maravilhosa para os nossos próprios pecados, e um meio de obter graças para nossos paroquianos.

20. O colarinho romano serve como um “sinal de contradição” para um mundo perdido no pecado e rebeldia contra o Criador. O colarinho torna-se uma poderosa declaração: o padre enquanto um alter Christus aceitou mandato do Redentor para levar o Evangelho para a praça pública, independentemente do sacrifício pessoal.

21. O colarinho romano ajuda aos sacerdotes a evitarem o ‘plantão’, a mentalidade de ‘folga do serviço sacerdotal’. Os números 24 e 7 devem ser os seus números especiais: sacerdotes são sacerdotes, 24 horas por dia, 7 dias por semana. São sacerdotes, não os homens que se engajam na “profissão de sacerdote.” Dentro ou fora de serviço, o sacerdote deve estar disponível a quem Deus possa enviar no seu caminho. As “ovelhas perdidas” não fazem agendamento.

22. Os “oficiais” do exército de Cristo devem ser identificáveis como tal. Tradicionalmente, temos observado que aqueles que recebem o sacramento da Confirmação se tornam “soldados” de Cristo, são católicos adultos prontos e dispostos a defender seu nome e sua Igreja. Aqueles que são ordenados diáconos, padres e bispos também devem estar preparados para pastorearem o rebanho do Senhor. Aqueles padres que usam o colarinho romano manifestam o seu papel inequivocamente como líderes na Igreja

23. Os santos nunca aprovam uma abordagem da abstinência das vestes sacerdotais. Por exemplo, Santo Afonso de Ligório (1696-1787), patrono dos moralistas e dos confessores, em seu estimado tratado Dignidade e Deveres do Sacerdote, insta o uso apropriado de vestes clericais, afirmando que o colarinho ajuda tanto sacerdote quanto aos fiéis a recordar o sublime esplendor do estado sacerdotal instituído pelo Deus-Homem.

24. A maioria dos católicos espera que os seus sacerdotes se vistam de acordo. Sacerdotes há muito tem dado uma grande medida de conforto e segurança ao seu povo. Enquanto jovens, os católicos são ensinados que o padre é o representante de Deus – alguém em quem se pode confiar. Assim, o Povo de Deus quer saber quem são esses representantes são e o que eles representam. O costume de usar vestes distinguíveis foi sancionado durante séculos pela Igreja, não é uma imposição arbitrária. Os católicos esperam que os seus sacerdotes vistam-se como padres e comportem-se em harmonia com o ensinamento prática da Igreja. Como temos dolorosamente observado ao longo dos últimos anos, os fiéis são especialmente incomodados e prejudicados quando os sacerdotes desafiam a autoridade legítima da Igreja, e ensinam e agir de forma inadequada e até mesmo desobediente.

25. A vida de um padre pertence a Deus de uma maneira especial, ele é enviado para servi-lo com sua vida. Quando acordamos todas as manhãs, devemos dirigir o nosso pensamento para o nosso Deus amoroso, e pedir a graça de servi-lo bem naquele dia. De uma forma especial, os padres devem lembrar-se do seu status como Seus servos, escolhidos por colocar o traje que proclama para que todos possam ver que Deus ainda está trabalhando neste mundo através do ministério de pobres homens pecadores.

Adaptado do artigo por Corageous Priest – 25 reasons to wear the Roman Colar
 
Fonte:http://igrejamilitante.wordpress.com/2011/06/24/porque-todo-padre-deveria-obedecer-a-igreja-e-vestir-o-habito-ou-o-colarinho-romano/

Mitos litúrgicos (Parte 1 de 4)

20110711-113937.jpg

Autor: Francisco Dockhorn
Revisão teológica: Dom Antonio Carlos Rossi Keller, Bispo da Diocese de Frederico Westphalen-RS
Publicação original: 11 de Fevereiro de 2009, 151º aniversário das aparições da Santíssima Virgem em Lourdes

Quando eu era criança, tínhamos na creche que eu freqüentava a “hora do conto”, onde se contavam estórias sobre lendas infantis, como: chapeuzinho vermelho, lobo mau, branca de neve, sete anões, João e Maria, três porquinhos, Cinderela, Saci-Pererê, etc.

Infelizmente, tenho visto que muitos escritos sobre Liturgia editados no Brasil e muitos cursos de Liturgia ao nosso redor tem se tornado uma “hora do conto”, onde se ensina mitos que não correspondem à verdade da doutrina e da disciplina da Santa Igreja Católica Apostólica Romana.

Não me refiro, evidentemente, à má intenção de quem promove ou ministra tais cursos, pois isto não cabe a mim julgar. A avaliação que faço aqui é puramente a nível de conteúdo.

Vejo que é freqüente se ensinar mitos como: “A Presença de Jesus na Palavra é tão completa como na Eucaristia; a Eucaristia é para ser comida e não para ser adorada; a adoração eucarística fora da Missa é ultrapassada; na consagração deve-se estar em pé; a noção da Missa como Sacrifício é ultrapassada; é mais expressivo no altar a imagem de Jesus Ressuscitado do que de Jesus crucificado; quem celebra a Missa não é o Padre, e sim toda a comunidade; a Igreja pode vir a ordenar mulheres; a Missa é para os fiéis; não se assiste à Missa; qualquer pessoa pode comungar; a absolvição comunitária substitui a confissão individual; é errado comungar na boca e de joelhos; a comunhão tem que ser em duas espécies; o Ministério extraordinário da Sagrada Comunhão existe para promover a participação dos leigos; o cálice e o cibório podem ser de qualquer material; os fiéis podem rezar junto a doxologia e a oração da paz; o sacerdote usar casula é algo ultrapassado; o Concílio Vaticano II aboliu o latim; para participar bem da Missa é preciso entender a língua que o padre celebra; o canto gregoriano é algo ultrapassado; atualmente o padre tem que rezar de frente para os fiéis; o Sacrário no centro é anti-litúrgico; não se deve ter imagens dos santos nas igrejas; cada comunidade deve ter a Missa do seu jeito; pode-se fazer tudo o que o Missal não proíbe; o padre é autoridade, por isso deve-se obedecê-lo em tudo; procurar obedecer à leis é farisaísmo; o que importa é o coração; a Missa Tridentina é antiquada; para celebrar a Missa Tridentina é preciso autorização do Bispo local; ir à Missa dominical não é obrigação.”

A diferença entre tais idéias e o autêntico pensamento católico é facilmente constatada, confrontando estes mitos aos documentos oficiais da Santa Igreja editados em Roma. São idéias que, evidentemente, não surgiram ao acaso, mas são fruto direto ou influência de uma teologia litúrgica modernista e incompatível com a autêntica teologia católica. Aqui na América Latina, muitas delas foram historicamente reforçadas pela disseminação de teologias importadas e da chamada “Teologia da Libertação”, esta de caráter marxista, que é incompatível com o pensamento da Santa Igreja e faz uma releitura de toda teologia (inclusive da teologia litúrgica), como está expresso em diversos documentos do Sagrado Magistério (ver a “Instrução sobre alguns aspectos da Teologia da Libertação”, da Sagrada Congregação para Doutrina da Fé, de 06 de Agosto de 1984).

O objetivo deste artigo é expor abaixo cada um desses mitos litúrgicos citados e os contrapor com a palavra oficial da Santa Igreja. Todas as citações utilizadas sobre disciplina litúrgica, de documentos da Santa Igreja, se aplicam à forma do Rito Romano aprovada pelo Papa Paulo VI (que é atualmente a forma ordinária), com exceção dos mitos 30 e 31, que falam expressamente sobre a Missa Tridentina, que é a forma tradicional e (atualmente) extraordinária do Rito Romano.

Vamos aos mitos listados (32, ao todo) e suas contra-argumentações:

Mito 1: “A Presença de Jesus na Palavra é tão completa como na Eucaristia”

Não é.

Ensina-nos o Sagrado Magistério da Santa Igreja Católica Apostólica Romana que Nosso Senhor Jesus Cristo está presente verdadeiramente e substancialmente no Santíssimo Sacramento do Altar, em Corpo, Sangue, Alma e Divindade, nas aparências do pão e do vinho, como afirma o Catecismo da Igreja Católica (Cat.), nos números 1374-1377.

E por na Hóstia Consagrada Nosso Senhor está presente de maneira substancial, o Papa Paulo VI afirma (Encíclica Mysterium Fidei, n. 40-41, de 1965) a supremacia da Presença Eucarística de Nosso Senhor sobre as demais formas de presença:

“Estas várias maneiras de presença enchem o espírito de assombro e levam-nos a contemplar o Mistério da Igreja. Outra é, contudo, e verdadeiramente sublime, a presença de Cristo na sua Igreja pelo Sacramento da Eucaristia. Por causa dela, é este Sacramento, comparado com os outros, “mais suave para a devoção, mais belo para a inteligência, mais santo pelo que encerra”; contém, de fato, o próprio Cristo e é “como que a perfeição da vida espiritual e o fim de todos os Sacramentos”. Esta presença chama-se “real”, não por exclusão como se as outras não fossem “reais”, mas por antonomásia porque é substancial, quer dizer, por ela está presente, de fato, Cristo completo, Deus e homem.”

Também o próprio Concílio Vaticano II, na Constituição Sacrosanctum Concilium (n.7), afirma esta supremacia da Presença Eucarística: “Para realizar tão grande obra, Cristo está sempre presente na sua igreja, especialmente nas ações litúrgicas. Está presente no sacrifício da Missa, quer na pessoa do ministro – «O que se oferece agora pelo ministério sacerdotal é o mesmo que se ofereceu na Cruz» – quer e SOBRETUDO sob as espécies eucarísticas.”

Afirmar que a presença de Nosso Senhor na Palavra é tão completa como na Hóstia consagrada significa uma dessas duas coisas: afirmar que Nosso Senhor se transubstancia na Palavra (aí fazemos o que, comemos a Bíblia e o Lecionário?), ou negar a Presença Substancial de Nosso Senhor na Hóstia Consagrada, o que atenta conta o Mistério central da fé católica, pois a Eucaristia é “fonte e ápice da vida cristã” (Lumen Gentium, n.11)

Mito 2: “A Eucaristia é para ser comida e não para ser adorada”
É para ser adorada, sim.

A Hóstia consagrada é a Presença Real e substancial de Nosso Senhor, e por isso a Santa Igreja dedica a ela toda a adoração. O Santo Padre Bento XVI responde (Exortação Sacramentum Caritatis, n.66, de 2006) :”…aconteceu às vezes não se perceber com suficiente clareza a relação intrínseca entre a Santa Missa e a adoração do Santíssimo Sacramento; uma objeção então em voga, por exemplo, partia da idéia que o pão eucarístico nos fora dado não para ser contemplado, mas comido. Ora, tal contraposição, vista à luz da experiência de oração da Igreja, aparece realmente destituída de qualquer fundamento; já Santo Agostinho dissera: « Nemo autem illam carnem manducat, nisi prius adoraverit; (…) peccemus non adorando – ninguém come esta carne, sem antes a adorar; (…) pecaríamos se não a adorássemos ». De facto, na Eucaristia, o Filho de Deus vem ao nosso encontro e deseja unir-Se conosco; a adoração eucarística é apenas o prolongamento visível da celebração eucarística, a qual, em si mesma, é o maior ato de adoração da Igreja: receber a Eucaristia significa colocar-se em atitude de adoração d’Aquele que comungamos.”

Dizer que a Eucaristia não é para ser adorada implica em negar a que a Hóstia Consagrada é o Corpo de Nosso Senhor, ou pensar que Deus não é digno de adoração…

Mito 3: “A adoração eucarística fora da Missa é ultrapassada”

Não é.

O saudoso Papa João Paulo II escreveu (Encíclica Ecclesia de Eucharistia, n. 25, de 2003): “Se atualmente o cristianismo se deve caracterizar sobretudo pela « arte da oração », como não sentir de novo a necessidade de permanecer longamente, em diálogo espiritual, adoração silenciosa, atitude de amor, diante de Cristo presente no Santíssimo Sacramento? Quantas vezes, meus queridos irmãos e irmãs, fiz esta experiência, recebendo dela força, consolação, apoio! Desta prática, muitas vezes louvada e recomendada pelo Magistério, deram-nos o exemplo numerosos Santos. De modo particular, distinguiu-se nisto S. Afonso Maria de Ligório, que escrevia: A devoção de adorar Jesus sacramentado é, depois dos sacramentos, a primeira de todas as devoções, a mais agradável a Deus e a mais útil para nós. A Eucaristia é um tesouro inestimável: não só a sua celebração, mas também o permanecer diante dela fora da Missa permite-nos beber na própria fonte da graça.”

E o Santo Padre Bento XVI acrescenta (Sacramentum Caritatis, n. 66-67): “De fato, na Eucaristia, o Filho de Deus vem ao nosso encontro e deseja unir-Se conosco; a adoração eucarística é apenas o prolongamento visível da celebração eucarística, a qual, em si mesma, é o maior ato de adoração da Igreja: receber a Eucaristia significa colocar-se em atitude de adoração d’Aquele que comungamos. Precisamente assim, e apenas assim, é que nos tornamos um só com Ele e, de algum modo, saboreamos antecipadamente a beleza da liturgia celeste. O ato de adoração fora da Santa Missa prolonga e intensifica aquilo que se fez na própria celebração litúrgica. (…) Juntamente com a assembléia sinodal, recomendo, pois, vivamente aos pastores da Igreja e ao povo de Deus a prática da adoração eucarística tanto pessoal como comunitária. Para isso, será de grande proveito uma catequese específica na qual se explique aos fiéis a importância deste ato de culto que permite viver, mais profundamente e com maior fruto, a própria celebração litúrgica. Depois, na medida do possível e sobretudo nos centros mais populosos, será conveniente individuar igrejas ou capelas que se possam reservar propositadamente para a adoração perpétua. Além disso, recomendo que na formação catequética, particularmente nos itinerários de preparação para a Primeira Comunhão, se iniciem as crianças no sentido e na beleza de demorar-se na companhia de Jesus, cultivando o enlevo pela sua presença na Eucaristia.”

Mito 4: “Na consagração deve-se estar em pé”

Na Consagração os fiéis devem estar de joelhos, em sinal de adoração.Quanto a isso a lei da Santa Igreja é clara em afirmar na Instrução Geral no Missal Romano (n. 43), que determina que os fiéis estejam “de joelhos durante a consagração, exceto se razões de saúde, a estreiteza do lugar, o grande número dos presentes ou outros motivos razoáveis a isso obstarem. Aqueles, porém, que não estão de joelhos durante a consagração, fazem uma inclinação profunda enquanto o sacerdote genuflecte após a consagração.”

Mito 5: “A noção da Missa como Sacrifício é ultrapassada”

Não é.

O Sagrado Magistério da Igreja, por graça do Espírito Santo, é infalível em matéria de fé e moral (Cat., n.2035). Por isso, a fé católica não muda.

A Santa Missa é a Renovação do Único e Eterno Sacrifício de Nosso Senhor, oferecido pelas mãos do sacerdote. Diz o Catecismo da Igreja Católica (n. 1367): “O sacrifício de Cristo e o sacrifício da Eucaristia são um único sacrifício.”

O Catecismo anterior, publicado pelo Papa São Pio X em 1905, afirma (n. 652-654): “A santa Missa é o sacrifício do Corpo e do Sangue de Jesus Cristo, oferecido sobre os nossos altares, debaixo das espécies de pão e de vinho, em memória do sacrifício da Cruz. (…) O Sacrifício da Missa é substancialmente o mesmo que o da Cruz, porque o mesmo Jesus Cristo, que se ofereceu sobre a Cruz, é que se oferece pelas mãos dos sacerdotes seus ministros, sobre os nossos altares, mas quanto ao modo por que é oferecido, o sacrifício da Missa difere do sacrifício da Cruz, conservando todavia a relação mais íntima e essencial com ele. (…) Que diferença, pois, e que relação há entre o Sacrifício da Missa e o da Cruz? Entre o Sacrifício da Missa e o sacrifício da Cruz há esta diferença e esta relação: que Jesus Cristo sobre a cruz se ofereceu derramando o seu sangue e merecendo para nós; ao passo que sobre os altares Ele se sacrifica sem derramamento de sangue, e nos aplica os frutos da sua Paixão e Morte.”

Curiosidade: o Papa Bento XVI afirmou, no dia 09 de Outubro de 2006, que o homem contemporâneo “perdeu o sentido do pecado”. Ora, se não há pecado, qual a necessidade de um Sacrifício Propiciatório? Creio que isso explica muitas coisas…

Mito 6: “É mais expressivo no altar a imagem de Jesus Ressuscitado do que de Jesus crucificado”

Não é.

A Instrução Geral do Missal Romano determina (n.308): “Sobre o altar ou junto dele coloca-se também uma cruz, com a imagem de Cristo crucificado, que a assembléia possa ver bem. Convém que, mesmo fora das ações litúrgicas, permaneça junto do altar uma tal cruz, para recordar aos fiéis a paixão salvadora do Senhor.”

Essa cruz alude ao Santo Sacrifício de Nosso Senhor, que se renova no altar. Nosso Senhor está vivo e ressuscitado, mas a Santa Missa renova o Sacrifício.

Mito 7: “Quem celebra a Missa não é o Padre, e sim toda a comunidade”

A Instrução Redemptions Sacramentum (n. 42), de 2004, discorrendo sobre o Santo Sacrifício da Missa, afirma: “O Sacrifício Eucarístico não deve, portanto, ser considerado “concelebração”, no sentido unívoco do sacerdote juntamente com povo presente. Ao contrário, a Eucaristia celebrada pelos sacerdotes é um dom que supera radicalmente o poder da assembléia. A assembléia, que se reúne para a celebração da Eucaristia, necessita absolutamente de um sacerdote ordenado que a presida, para poder ser verdadeiramente uma assembléia eucarística. Por outro lado, a comunidade não é capaz de dotar-se por si só do ministro ordenado.”

Mito 8: “A Igreja pode vir a ordenar mulheres”

Não pode.

O saudoso Papa João Paulo II definiu que a Santa Igreja não tem a faculdade de ordenar mulheres, quando em 1994, publicou a Carta Apostólica “Ordinatio Sacerdotalis”, que afirma explicitamente: “Para que seja excluída qualquer dúvida em assunto da máxima importância, que pertence à própria constituição divina da Igreja, em virtude do meu ministério de confirmar os irmãos (cf. Lc 22,32), declaro que a Igreja não tem absolutamente a faculdade de conferir a ordenação sacerdotal às mulheres, e que esta sentença deve ser considerada como definitiva por todos os fiéis da Igreja.”

Fonte: http://www.reinodavirgem.com.br/liturgia/mitos-liturgicos.html