Vigarices educacionais: a farsa do “homocausto” do ENEM. Ou ainda: mais marxismo cultural em provas públicas

20110719-092903.jpg

Foi realizada ontem, em todo Brasil, a prova do ENEM. Como sempre, mais uma vez questões foram utilizadas para fazer propaganda do marxismo cultural, incluindo citações e referência a vários autores esquerdistas, como Bertold Brecth, Hobsbawn, Michel Foucault e outros, além. E não parou por aí. O teste ainda promoveu uma questão vergonhosa colocando a culpa dos crimes “homofóbicos” ao Cristianismo e à Igreja Católica. Reproduzo a porcaria abaixo:

20110719-093024.jpg

Confira: http://estaticog1.globo.com/2010/11/ENEMprova1.pdf

Sendo a resposta certa do gabarito a letra D, o texto é explícito: o assassinato de homossexuais está ligado diretamente ao passado cristão. Mas, ao analisarmos as variáveis, vemos que isso absolutamente NÃO é verdade. Trata de uma mentira que só funciona como chantagem emocional e que pode ser rapidamente desmascarada.

Primeiro, devemos lembrar que o Brasil tem cerca de 200 milhões de pessoas. Ora, se 15% são homossexuais ou bissexuais, como diz o lobby gay, então temos uns 30 milhões de gays e bissexuais no páis. Com 50.000 brasileiros mortos por ano, o número de 195 mortes, em um grupo de 30.000.000, é, de forma inescapável, relativamente baixo dentro desse conjunto.

A transsexual Rogéria, no programa Altas Horas, tem dignidade o suficiente para reconhecer esse dado:

Rogéria: Toda amiga francesa ou italiana que vem passar as férias aqui, a gente reclama, e elas respondem: vocês não sabem, mas isso aqui é um paraíso… O Brasil é um paraíso dos gays e dos travestis.

Groisman: Mas ainda tem muitos travestis e gays que apanham.

Rogéria: Apanham. Mas hoje em dia eles matam velhinho, professor, mulher grávida… Não são os gays que são mortos. Eles estão matando todo mundo.

Fonte: youtube, vídeo /watch?v=vF6WT0PnzxI

Esse fato beira o óbvio: não são os gays que são perseguidos – são os brasileiros em geral, grupo do qual os homossexuais obviamente fazem parte e estão sujeitos ao mesmo riscos.

Talvez alguém tente contra-argumentar dizendo que “Mas esses são só assassinatos movidos pelo ódio aos homossexuais; assassinatos com motivações comuns não estão contadas nos dados”.

Mas aí sim a perversidade fica ainda é maior. Conferindo o site indicado pela prova, vemos a estapúrdia dos assassinatos “homofóbicos”.

Segundo a delegada Rosimar Malafaia, citada na notícia, o principal problema nos crimes “homofóbicos” é identificação do suspeito, pois os gays fazem sexo com qualquer pessoa:

Ela acrescentou que a principal dificuldade nas investigações de assassinatos de homossexuais é a identificação do suspeito. “ A inconstância de parceiros, por exemplo, dificulta o trabalho policial. Muitas vezes, eles se relacionam com pessoas que sequer fazem parte do círculo de amizades”

Espere aí um pouquinho: o que a delegada está dizendo é que o sujeito foi lá, deu para alguém (muitas vezes, com quem não tinha nenhum vínculo), envolveu-se em algum confusão e acabou batendo as botas. E, mesmo sem conseguir identificar o suspeito, isso seria um caso de “crime de ódio motivado pela homofobia”.

Ah sim. O cara que transou com o gay decerto é um MACHÃO HETEROSSEXUAL. Ou talvez um puritano católico, um inquisidor do século XXI. A fraude está ficando explícita. O problema é de ambiente e de conduta pessoal, não é o passado católico do país. Mais um ponto é levantado por Marcelo Cerqueira, do GBB, confirmado a tese de ambiente de risco:

O Presidente do GGB, Marcelo Cerqueira, considera que a solução contra os crimes homofóbicos passa por “ensinar à população a respeitar os direitos humanos dos homossexuais”. Além disso, ele considera essencial que “polícia e Justiça punam com toda severidade a homofobia e sobretudo, que os próprios gays e travestis evitem situações de risco, não levando desconhecidos para casa, evitando transar com marginais“.

O próprio presidente do movimento GBB (!) reconhece que o problema é de uma ordem sociológica bem diferente. Travestis que se prostituem, segundo a própria notícia, são o grupo com o maior número de vítimas. Vai ver eles não estão em um ambiente cheio de álcool, drogas, armas, violência em qualquer um poderia morrer. É tudo culpa do maléfico Cristianismo, mesmo – o ambiente e as condições poucam importam. Afinal, ninguém morre ao se envolver com àlcool, drogas, tráfico e armas, não é?

O irônica também é que esses crimes por “ódio aos homossexuais” são cometidos, várias vezes, por… HOMOSSEXUAIS! A própria notícia chega ao cúmulo de revelar que foram gays na prostituição que mataram onze vítimas específicas!

Entre as vítimas, constam sete pais de santo e quadro padres católicos. O nome desses sacerdotes católicos, segundo o GGB, constam no site da Conferência nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), contudo omitindo-se terem sido assassinados por rapazes de programa.

O jornal A Tarde complementa a informação:

O perfil dos criminosos é descrito da seguinte forma pelo relatório: “80% são desconhecidos, predominando garotos de programa, vigilantes noturnos, 65% menores de 21 anos” (…) Entre os assassinos de GLTB em 2008 predominaram os garotos de programa, vigilantes, pedreiros.

Pergunta:

  • Se são desconhecidos, como sabem que o crime foi motivo por homofobia e não por rixa pessoal, uso de drogas, àlcool, etc?
  • Esses garotos de programa mataram por “homofobia” ou por mau caratismo? Esses garotos, que vendem o próprio corpo para OUTROS HOMENS, são heterossexuais e homofóbicos, por acaso?

Mais informações do jornal A Tarde mostram que a motivação é ECONÔMICA, e não de ordem moral:

A metade dos criminosos praticaram latrocínio, roubando eletros-domésticos e o carro da vítima.

Ah sim! Outra informação que faltava! Realmente, esses latrocínios são por ódio! Os sujeitos não matam com o objetivo de possuir as propriedades da vítima, como o carro – matam porque, mesmo estando em relações homossexuais, odeiam homossexuais, por culpa da Igreja Católica, se lembrando de roubar e levar embora pertences domésticos da vítima por acidente depois do assassinato! É claro que ele não queria nada disso!

Se alguém ainda tinha esperanças de que os dados fossem confiáveis, o site Gays de Direita pôs um fim de uma vez por todas nessa palhaçada, analisando morte a morte das ditas “motivações homofóbicas”:

  • Jorge Pedra, jornalista e apresentador. Assassinado por garoto de programa, também homossexual, por motivo de roubo.
  • Zigomar Belo, assassinado pelo companheiro, também homossexual, um cabeleireiro com quem morava a 9 anos. O assassino declarou que o matou porque Zigomar havia o dopado para manter relações sexuais com ele.
  • Adriano Aquino Pereira, travesti, por dívida. O motivo da morte foi uma dívida de R$ 200, decorrida de programas. O assassino, também homossexual, mantinha relacionamento amoroso com a vítima desde 2008.
  • Jenifer, travesti, por dívida de drogas. Um morador do local contou que “Jenifer” certamente tinha envolvimento com a dupla de assassinos e devia aos traficantes que a assassinaram.
  • Dara, travesti, por dívida de drogas.
  • Anderson Silva dos Anjos e Anderson Xinha, por desconfiança de envolvimento no tráfico. Acredita-se que eles foram mortos por serem desconhecidos na área e as facções locais do comando terem desconfiado de que eles seriam algum tipo de X-9 de outra facção rival na disputa pelo comando na localidade.
  • Elson Anselmo Silva, assassinado por parceiro sexual, também homossexual. Élson Anselmo da Silva, de 30 anos, foi morto com um golpe de faca na altura do abdômen desferido por Jean de Oliveira Pio, de 27 anos. Segundo Oliveira, ele e Anselmo estavam mantendo relações sexuais na casa da vítima, que era passivo, e em dado momento ele quis reverter a posição e se impor como ativo se armando com uma faca e ameaçando Jean de morte caso ele não cedesse.
  • Elenir de Paula Teixeira, assassinado por homossexuais (possivelmente garotos de programa).
  • Benedito Juarez Silva, suspeito do crime o amante da vítima, por motivo de roubo.
  • Marcelo Zanardo, 47, dono de rotisseria, assassinado por jovem homossexual com quem mantinha relacionamento. O autor do crime confessou o assassinato, mas não relatou os motivos.
  • Jerônimo José de Faria, 69 anos – O autor do homicídio foi Ricardo dos Santos Sanches, 33 anos, sobrinho da vítima. De acordo com as informações, o caso começou a ser investigado após o Corpo de Bombeiros socorrer Ricardo Sanches, que foi encontrado caído perto da Rodoviária, às 3 horas da madrugada. Após ser levado para o hospital, Ricardo contou que estava na casa junto com Jerônimo, e após ingerir bebida alcoólica, entraram em luta corporal. Na luta, Ricardo desferiu uma facada no peito de Jerônimo, matando-o. Segundo o delegado Antônio Alicio Simões Júnior, Ricardo foi preso em flagrante após receber alta do hospital. Ele contou ao delegado que Jerônimo seria homossexual e queria manter relações com ele, o que gerou a briga. Os policiais apuraram que Jerônimo tinha uma passagem por homicídio, ocorrida em 1996 na cidade de Ribeirão Preto.
  • Israel Santos de Santana. Conforme a polícia, dois encapuzados procuravam por uma arma e, por não encontrá-la, atiraram contra Israel. Moradores do bairro desconfiam que o crime tenha relação com o assassinato de um filho de santo que aconteceu há dois meses. Logo após o crime, a vítima teria ido à delegacia prestar depoimento, o que pode ter desagradado traficantes do local.
  • Eusenilson Paulino, 23, travesti. Os autores dos disparos fugiram em uma moto. O caso, segundo a Polícia, estaria relacionado com tráfico de droga.
  • Jéferson Luis dos Santos Lima, usuário de drogas, já tinha tentado matar a própria mãe. “Segundo uma testemunha nos informou, o homem, que era usuário de drogas, foi morto a golpes de cacete por um cidadão identificado apenas como “Cabeludo”.
  • Raimundo José Martins Cerqueira, 34 anos, latrocínio. A princípio, a polícia investiga a hipótese de um latrocínio (roubo seguido de morte), já que a carteira de cédulas de Raimundo não foi encontrada durante a perícia. Segundo colegas, ele levava consigo o salário mensal, recebido horas antes do crime. Homossexual assumido, a vítima costumava sair com jovens recém-conhecidos, tornando-se vulnerável à ação de bandidos.
  • Padre Hidalbert Guimaraes, 48. (…)  A versão de Rafael é de que, depois de beberem cerveja, o padre lhe teria oferecido R$ 15,00 para que ele fizesse um programa. Daí teria havido discussão, seguida de luta corporal e do assassinato. Antes de deixarem a cena do crime, os dois rapazes furtaram um aparelho DVD e um tênis pertencente ao padre. Os dois teriam então rumado para casa, no bairro de Ponta Grossa, em um ônibus.
  • Padre Everaldo Martiol, 33 anos, trabalhava com jovens, vítima de latrocínio. O sacerdote foi vítima de latrocínio, roubo seguido de morte. Após sair de uma após, foi para a residência da mãe de outro padre. Quando retoanava para casa, pediram carona e o renderam no caminho. Ele foi levado a uma distância de 5 km fora da zona urbana de Caçador, onde quatro tiros foram disparados contra o sacerdote, que morreu na hora.
  • Luiz Gonzaga Alves, 75 anos, assassinado pelo companheiro com quem morava, por motivo de ciúme.
  • Carlos Antonio Costa, travesti, morta supostamente pelo namorado.
  • Jonas Terêncio da Silva, 61 anos, assassinado por parceiro sexual, também homossexual.
  • Edson Ravaglia, empresário, A Polícia Civil não descarta a hipótese de que o assassinato do empresário Edson Ravaglia tenha sido acerto de contas.
  • Bruno César de Araújo, de 31 anos, cabeleireiro, assassinado por dois homossexuais, seguido de roubo.
  • Diego Emerson de Araújo Daggy, de 22 anos, assassinado supostamente por duas mulheres lésbicas.
  • Rafael, 30 anos, caseiro. Assassino foi identificado como Álvaro da Silva, o Paulista, de 20 anos, com quem o caseiro morava e mantinha um relacionamento. Assassino declarou que matou o companheiro porque Rafael ameaçava atear fogo na casa.
  • Erisvaldo dos Anjos Santos, 29 anos, assassinado por suposto ciúme ou drogas.
  • Wanderley, 40 anos, trabalhador doméstico, companheiro tinha envolvimento com o crime.
  • Anderson de Azevedo dos Santos, 26 anos, assassinado por engano, ao entrar em área controlada por traficantes.
  • Walace de Souza, 34 anos, assassinado por companheiro, também homossexual.
  • Edson Gabriel de Souza, 42 anos, assassinado pelo amante, também homossexual.

E por aí vai.

Apenas nesse grupo (sem contar, por exemplo, os outros casos já vistos, como o dos sete pais de santos e de dois padres católicos que também foram mortos por homossexuais e o dado de que metade dos casos envolvem roubo, do jornal A Tarde), temos:

  • 71% dos homossexuais foram mortos por outros homossexuais, e, em vários casos, pessoas os quais mantinham relacionamento, o que já descarta a hipótese de “ódio a conduta homossexual”;
  • 32% dos casos estavam envolvidos com tráfico, uso de drogas ou álcool, o que é um ambiente de risco para qualquer pessoa, homem ou mulher, hetero ou não;
  • 25% dos casos envolveram roubos ou latrocínios, coisa frequente no Brasil para TODA população (isso sem levar em conta do Jornal A Tarde, que levanta esse número para 50% dos casos);

[OBS: a conta ultrapassa 100%, pois em um mesmo caso, o agente poderia estar envolvido tanto com drogas como ser homossexual, o que conta nos dois requisitos]

Os gays não estão morrendo pelo ódio gerado pelo passado católico (o que deveria gerar, por lógica, mortes também de promíscuos, pessoas que perdem a virgindade antes do casamento, onanistas e etc.) – e sim por motivações passionais e econômicas dos agentes ativos dos delitos. Não foi comprovada em lugar nenhum a causação entre Cristianismo (que prega o respeito ao pecador, é bom lembrar) e morte de gays. A imputação dos crimes “homofóbicos” selecionados cuidadosamente por ONGs de esquerda à Igreja Católica não só é uma farsa, como é um absurdo pelo qual os autores deveriam ser imputados judicialmente. Enquanto os cristãos assistirem espetáculos pirotécnicos como esse sentados, por medo do politicamente correto e pela vontade de “aparecer bem na fita”, o resultado lógico só pode ser um: a total dominação do gayzismo na sociedade. Na continuação desse artigo, falarei sobre mais ataques à religião no sistema público de ensino, inclusive com análise de documentos do MEC.

Fonte: http://quebrandoneoateismo.com.br/2010/11/07/vigarices-educacionais-a-farsa-do-homocausto-na-prova-do-enem-ou-ainda-mais-marxismo-cultural-em-provas-pblicas-parte-i/

Meu comentário:
Ps: Estou postando esse artigo para que possam entender para aonde a educação do Brasil está indo.( ou melhor para aonde o MEC está levando )
E para vocês terem noção da onde vem um pouco da idéia dessa terrivel “homofobia”.

Publicado em 19 de julho de 2011, em Comunicados aos Cristãos, Governo PT e marcado como , , , . Adicione o link aos favoritos. 2 Comentários.

  1. No comunismo os pederastas veados foram exterminados como Lixo Capitalista! Mais de Um Milhão de pederastas, bichas, boiolas, veados e outros homossexuais foram mortos nos países comunistas!

  2. Neste país vivemos uma onda de inversão de valores, aonde prevalece a vontade de grupos de militantes esquerdistas, interessados em estabelecer o caos para impor sus objetivos.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: