A MISTERIOSA RELAÇÃO DO VATICANO COM HITLER

17/03/2012
Novos estudos revelam que Igreja teria sido sempre contrária ao
nazismo, mesmo quando silenciou
Graça Magalhães-Ruether
graca.magalhaes@oglobo.com.br
O PAPA PIO XII e os nazistas: novos estudos dizem que, na verdade,
ele era contrário ao regime
Arquivo
Há 75 anos, no Domingo de Ramos de 1937, dia 21 de março, a Igreja
Católica conseguiu driblar a Gestapo distribuindo em toda a Alemanha
uma encíclica que definia um posicionamento claro contra o ditador
Adolf Hitler e a sua política racista. Em “Mit brennender Sorge” (“Com
profunda preocupação”, em português), a única encíclica já escrita em
alemão, a Igreja – que anos antes havia assinado um acordo com o
regime nazista, chamado Concordata – levantou pela primeira vez a
sua voz contra o fim das liberdades e as prisões em massa que
aconteciam há quatro anos na Alemanha. Novos estudos indicam que
esta mudança de posição em relação ao regime seria mantida mesmo
no papado seguinte, de Pio XII, que entrou para a História como o líder
católico que silenciou diante do extermínio dos judeus.
A encíclica de 1937, que criticava também o culto à figura do ditador,
foi lida em todas as igrejas do país naquele domingo. Hitler ficou
furioso. Entre as Waffen SS, as mais sangrentas tropas do regime, os
mais radicais queriam mandar prender e executar todos os bispos
alemães por “alta traição”. No final, o regime resolveu adotar uma
posição menos rigorosa, mandando confiscar os exemplares do texto,
prender padres que o liam ou fechar tipografias que o imprimiam.
Segundo o historiador René Schlott, da Universidade de Giessen, os
nazistas não reagiram de forma mais brutal por orientação do
perspicaz Joseph Goebbels, o ministro da propaganda.
– A ditadura tinha ainda apenas quatro anos e os nazistas não queriam,
nessa fase, comprar uma guerra aberta contra parte da população, o
que só foram fazer mais tarde – afirma.
A encíclica marcou também uma mudança de posição do Vaticano para
com o regime nazista. Em janeiro, o Papa Pio XI convidou os bispos
alemães para uma reunião, na qual encomendou ao cardeal Michael
von Faulhabe a redação da encíclica. Schlott afirma que o Papa teria se
arrependido da Concordata e queria manifestar à população sua
aversão ao regime. Negociada com a ajuda do então cardeal Eugenio
Pacelli (que a partir de 1939 se tornaria o Papa Pio XII), a Concordata
foi assinada em julho de 1933, meses depois da ascensão de Hitler ao
poder, e era vista pela Igreja com um meio de garantir a sua
sobrevivência no regime autoritário. Na verdade, porém, o acordo teve
o efeito de quebrar o isolamento internacional do regime. O Terceiro
Reich tirava proveito do reconhecimento internacional que obteve
graças ao acordo com a Igreja.
“Tudo o que tome a raça, o povo ou o Estado (…) como elementos
fundamentais da sociedade e os divinize com culto idolátrico perverte
e falsifica a ordem criada e imposta por Deus”, dizia a nova encíclica,
redigida em apenas 72 horas. Faulhaber escreveu à mão para evitar
que um número maior de pessoas tomasse conhecimento do projeto.
Depois de impresso no Vaticano, o documento foi transportado por
emissários da Igreja para Berlim, de onde foi distribuído para mais de
dez mil igrejas do país sem que a Gestapo tomasse conhecimento da
ação.
– Ao receber os textos, os sacerdotes o guardaram no altar até o dia
planejado para a sua divulgação na missa de domingo – conta Schlott.
Cada igreja recebeu duas cópias do documento, para garantir que,
mesmo no caso de uma eventual perda, o texto fosse lido
simultaneamente, no mesmo dia e na mesma hora. Segundo o
historiador, o projeto da encíclica de Pio XI foi “a ação mais
espetacular do Vaticano durante toda a ditadura nazista”. Nada menos
que 300 mil cópias de um texto que criticava abertamente Hitler foram
distribuídas em uma época em que criticar o ditador já era um motivo
de condenação à morte.
Mas a ação secreta do Vaticano contra Hitler quase terminou em um
fracasso e massacre dos seus envolvidos. Um dia antes do Domingo de
Ramos, no sábado, dia 20 de março de 1937, a Gestapo recebeu uma
cópia da encíclica, fornecida por delatores.
– Como era impossível, em poucas horas, confiscar o documento em
mais de dez mil igrejas espalhadas por toda a Alemanha, os agentes da
Gestapo tentaram atrapalhar a leitura do documento apenas em
algumas cidades – afirma Schlott.
Mesmo assim, a encíclica teve um efeito estrondoso. Os devotos, até os
protestantes, ficaram satisfeitos ao ver como a Igreja tomava partido
contra o regime, como relatou mais tarde o cardeal Faulhaber no
Vaticano. Mas houve também católicos adeptos do regime que
manifestaram irritação, e se afastaram da Igreja. Nada menos que 108
mil pessoas solicitaram oficialmente o desligamento da Igreja Católica
alemã.
Dias depois da leitura, os nazistas investiram com toda a fúria contra o
que julgavam uma audácia. Mais de mil sacerdotes foram presos,
sendo que 300 foram deportados para um campo de concentração.
Organizações e escolas católicas foram fechadas. Na sua residência de
Obersalzberg, na Baviera, Hitler reagiu dizendo: “Se procuram, através
de qualquer encíclica, assumir poderes que são do Estado, vão ser
pressionados a voltar a sua atividade espiritual.”
Se Pio XI não tivesse morrido, no início de 1939, o Vaticano teria
insistido mais na politica de confrontação, sustentam historiadores. Já
no seu leito de morte, ele ordenou a redação de uma outra encíclica,
que entrou para a História como “a encíclica escondida de Pio XI”. O
documento, redigido por dois jesuitas, denunciava o antissemitismo
fanático e o culto ao estado totalitário, mas foi engavetado com a
morte do Pontífice. Seu sucessor, Pio XII, foi várias vezes acusado de
ter sido conivente com o regime. Novos estudos mostram, no entanto,
que não só tinha a mesma posição de Pio XI, como teria, inclusive,
ajudado muitos judeus.
– Só com a abertura dos arquivos do Vaticano, dentro de alguns anos,
será possivel desvendar o enigma de Pio XII, que silenciou embora
fosse também contra a ditadura – conclui Schlott.

Jornal: O GLOBO Autor:
Editoria: Ciencia e_Vida Tamanho: 1007 palavras
Edição: 1 Página: 34
Coluna: Seção:
C aderno: Primeiro Caderno
© 2001 Todos os direitos reservados à Agência O Globo

Publicado em 13 de abril de 2012, em Catolicismo, Comunicados aos Cristãos, Nazismo, Neo ateísmo. Adicione o link aos favoritos. Deixe um comentário.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: