Dom Schneider: 10 elementos de Renovação da Liturgia

Dom Schneider: 10 elementos de Renovação da Liturgia

 Do OnePeterFive

 

image

“Já aqui este mistério te faz a terra, céu. Abre, pois, as portas do céu e olha; ou antes, não do céu, mas do Céu dos céus, e então poderás ver a verdade de tudo quanto te foi dito. De facto, como num palácio real, a parte mais sumptuosa de todas não é dada nem pelos muros nem pelos tecto de ouro, mas pelo corpo do rei que se senta no trono; o mesmo vale para o corpo do Rei que está nos Céus. Pois bem, este corpo agora é-te possível vê-lo aqui, na terra. Eu mostro-te, de facto, não anjos, nem arcanjos, não céus e céus dos céus, mas o seu próprio Senhor”

– São João Crisóstomo, Homilia em I Coríntios, citado em Dominus Est, pelo bispo Athanasius Schneider, p. 34

 

 

Em 14 de fevereiro de 2015, Dom Athanasius Schneider de Astana, Cazaquistão, deu uma palestra em Washington, DC patrocinada pelo Instituto Paulus. Durante a palestra, ele propôs ações concretas – dez elementos essenciais – que devem ser implementadas para realizar a renovação litúrgica.

Como participante, fiquei impressionado mais uma vez pela preocupação de sua excelência para com a reverência e a devoção no culto católico. Por causa do valor profundo dos insights que ele apresentou, eu gostaria de oferecer-vos o meu próprio resumo de seus principais temas.

O bispo instruiu que, desde os tempos apostólicos, a Igreja procurou ter a Liturgia Sagrada, e que é somente através da ação do Espírito Santo que se pode verdadeiramente adorar Cristo. Gestos exteriores de adoração que expressam reverência interior são vitais dentro do contexto da liturgia. Estes incluem reverências, genuflexões, prostrações, e semelhantes. Sua excelência citou os escritos de São João Crisóstomo sobre a liturgia, particularmente enfocando o seguinte tema: A liturgia da Igreja é a participação, e deve ser modelada, em cima da liturgia celeste dos anjos.

A noção de liturgia celeste, e nossa participação nela no Santo Sacrifício da Missa, oferece alguma perspectiva para aqueles de nós que podem ser tentados a dar como certo o milagre incrível em nosso meio. A realidade é que cada igreja Católica é, em si, um lugar em que habitam os anjos, arcanjos, o reino de Deus, e o próprio Ser Celestial de Deus. Se tivéssemos alguma forma capaz de sermos transportados para a liturgia celeste, não ousaríamos falar mesmo com aqueles que conhecemos e amamos. Quando estamos dentro de uma Igreja, devemos, portanto, falar reservadamente, e depois só de coisas sagradas.

Na igreja primitiva, o altar e outros objetos sagrados foram velados por respeito para com o Mistério Sagrado em que eles desempenharam um papel. Não houve, ao contrário da crença popular em nosso tempo presente, uma celebração versus populum da Missa ou até mesmo uma prática generalizada da comunhão na mão. O padre e as pessoas olhavam juntos para Deus no Oriente litúrgico.

Quando celebramos a liturgia, é Deus quem deve estar no centro.

O Deus encarnado. Cristo. Ninguém mais.

Nem mesmo o padre que atua em seu lugar.

Empobrece a liturgia quando nós reduzimos os sinais e gestos de adoração. Qualquer renovação litúrgica deve, portanto, restaurar os sinais e trazer um caráter mais cristocêntrico e transcendente da liturgia terrestre que é mais uma reminiscência da liturgia angelical.

Dez Elementos de Renovação

Dom Schneider ofereceu estes 10 pontos de aplicação que ele vê como fundamentais para a renovação litúrgica:

 

O tabernáculo, onde Jesus Cristo, o Deus encarnado, está realmente presente sob as espécies do pão deve ser colocado no centro do santuário, porque em nenhum outro sinal nesta terra é Deus, o Emmanuel, portanto, realmente presente e tão perto do homem como no tabernáculo. O tabernáculo é o sinal que indica e que contém a Presença Real de Cristo e, portanto, deve estar mais perto do altar e constituir com ele o sinal central, indicando o Mistério Eucarístico. O Sacramento do Tabernáculo e do Sacrifício do Altar não devem, portanto, estar em oposição ou separados, mas ambos em lugar central e juntos no Santuário (Presbitério). Toda a atenção daqueles que entram numa igreja deve espontaneamente ser direcionada para o tabernáculo e para o altar.

image

“O tabernáculo, (…) deve ser colocado no centro do santuário”

Durante a Liturgia Eucarística – pelo menos durante a oração eucarística – quando Cristo, o Cordeiro de Deus é imolado, o rosto do padre não deve ser visto pelos fiéis. Mesmo os serafins cobrem seus rostos (Isaías 6, 2) quando adorando a Deus. Em vez disso, o rosto do padre deve ser voltada para a cruz, o ícone do Deus crucificado.

image

“Durante a Liturgia Eucarística o rosto do padre não deve ser visto pelos fiéis.”

Durante a liturgia, deve-se haver mais sinais de adoração – especificamente genuflexões – especialmente cada vez que o sacerdote toca a hóstia consagrada.

 

Os fiéis que se aproximam para receber o Cordeiro de Deus na Sagrada Comunhão deve saudá-lo e recebê-lo com um ato de adoração, de joelhos. Que momento na vida dos fiéis é mais sagrado do que este momento de encontro com o Senhor?

image

“Os fiéis que se aproximam para receber o Cordeiro de Deus na Sagrada Comunhão deve saudá-lo e recebê-lo com um ato de adoração, de joelhos. “

 

Deve haver mais espaço para o silêncio durante a liturgia, especialmente durante os momentos que expressam mais plenamente o mistério da redenção. Especialmente quando o Sacrifício da Cruz torna-se presente durante a oração eucarística.

 

Deve haver mais sinais exteriores que expressem a dependência do sacerdote de Cristo, o Sumo Sacerdote, e mostrar mais claramente que as palavras que o sacerdote pronuncia (ie., “Dominus Vobiscum“) e as bênçãos que ele oferece aos fiéis dependem e fluem de Cristo, Sumo Sacerdote, não dele, a pessoa privada. Não “Saúdo-vos” ou “eu te abençoo”, mas “eu, o Senhor” faço essas coisas. Cristo. Esses sinais podem ser (como foi praticado por séculos) o beijo do altar antes de cumprimentar as pessoas para indicar que esse amor não flui do sacerdote, mas a partir do altar; e também diante de bênção, para beijar o altar, e depois abençoar as pessoas. (Isto foi praticado por milênio, e, infelizmente, no Novo Rito foi abolido). Além disso, curvando-se em direção à cruz do altar, para indicar que Cristo é mais importante do que o sacerdote. Muitas vezes na liturgia – no Rito Antigo – quando um sacerdote expressava o nome de Jesus, ele teria que voltar-se para a cruz e fazer uma reverência para mostrar que a atenção deve estar em Cristo, e não ele.

image

“Deve haver mais sinais exteriores que expressem a dependência do sacerdote de Cristo”

 

Deve haver mais sinais que expressem o mistério insondável da redenção. Isto poderia ser alcançado através do véu dos objetos litúrgicos, porque o uso do véu é um ato da liturgia dos anjos. Velar o cálice, velar a patena com o véu umeral, o velamento do corporal, velar as mãos do bispo quando celebra-se uma solenidade, o uso de mesas de comunhão, também, para velar o altar. Também sinais – sinais da cruz pelo sacerdote e os fiéis. O sacerdote fazer sinais da cruz durante a oração eucarística e pelos fiéis durante outros momentos da liturgia; quando estamos benzendo-nos com a cruz é um sinal de bênção. Na antiga liturgia, três vezes durante a Gloria, o Credo, e o Sanctus, os fiéis faziam o sinal da cruz. Estas são expressões do mistério.

image

“Deve haver mais sinais que expressem o mistério insondável da redenção. Isto poderia ser alcançado através do véu dos objetos litúrgicos,”

 

Deve haver um sinal constante que expressa o mistério também por meio da linguagem humana– isto é, o latim é uma língua sagrada exigida pelo Concílio Vaticano II na celebração de cada Santa Missa e em cada lugar uma parte da oração eucarística deveria sempre ser dito em latim.

 

Todos aqueles que exercem um papel ativo na liturgia, como leitores, ou aqueles que rezam a oração dos fiéis, devem estar sempre vestidos com paramentos litúrgicos; e somente os homens, sem as mulheres, porque este é um exercício no Santuário, próximo ao do sacerdócio. Mesmo ler o lecionário é direcionado à liturgia onde estamos a celebrar a Cristo. E, portanto, somente homens vestidos com vestes litúrgicas devem estar no santuário.

image

“Todos aqueles que exercem um papel ativo na liturgia,(…) devem estar sempre vestidos com paramentos litúrgicos”

 

A música e as canções durante a liturgia devem mais verdadeiramente refletir o caráter sagrado e devem se parecer com o canto dos anjos, como oSanctus, a fim de serem realmente mais capazes de cantar a uma só voz com os anjos. Não só oSanctus, mas toda a Santa Missa. Seria necessário que o coração, a mente e a voz do sacerdote e dos fiéis sejam direcionada para o Senhor. E que este seria manifestada por sinais e gestos exteriores também.

image

“A música e as canções durante a liturgia devem mais verdadeiramente refletir o caráter sagrado “

 

Há uma grande quantidade de matéria para se refletir sobre isso aqui. Cada um desses dez pontos parece, pelo menos para mim, indispensável em nossa busca de culto verdadeiramente reverente em nossas igrejas. Nenhum desses pontos é incompatível com qualquer liturgia antiga da Igreja ou, talvez mais importante, com a liturgia imaginada pelos Padres conciliares na Constituição Sacrosanctum Concilium.

 

Seria uma tremenda bênção se mais bispos usassem estes dez pontos como diretrizes essenciais para a liturgia em suas dioceses. Convido você a enviá-los à seu próprio bispo para sua consideração. Houve mais pérolas nas questões, que eu tenha optado por não transcrever devido ao comprimento.

 

Eu também tive a oportunidade de conhecer brevemente o bispo na conclusão do seu discurso. Quando eu agradeci a ele por sua liderança em um momento em que parece que muitos dos nossos pastores não estão anunciando com vozes claras os ensinamentos da Igreja, ele me disse: “É você quem deve fazer isso. Você, os fiéis, as vossas famílias. Você deve ser santo. Você deve ensinar a fé a seus filhos. Você deve inspirar os sacerdotes“. Sobre o tema das vocações, ele disse que devemos oferecer aos nossos filhos a Deus, se quisermos para que eles recebam uma vocação. Parece que com este conselho – emparelhado com as sugestões concretas que anteriormente oferecidos em seu artigo publicado no início deste ano – Ele está chamando-nos, os leigos, para começar uma revolução de santidade, se quisermos ver a reforma da Igreja.

 

Parece que seria melhor começar.

Fonte :http://www.movimentoliturgico.org/10-elementos-de-renovacao-da-liturgia/

Publicado em 28 de abril de 2016, em Uncategorized. Adicione o link aos favoritos. Deixe um comentário.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: