Arquivo da categoria: RCC

Missa Tridentina na TV Canção Nova.

Olá irmãos e irmãs é com muita alegria que venho hoje falar de um acontecimento que me alegra muito, recentemente na TV Canção Nova está havendo  a celebração da Missa na Forma Extraordinária do Rito Romano( A MISSA TRIDENTINA).
Que tenho que dizer que é um sonho meu, sempre pensei, porque a TV Canção Nova não celebra a Missa Tridentina… Deus ouviu minhas preces!! Venho repostar um texto do blog  Ecclesia Una que acompanho sempre.
Segue abaixo.

Comunidade Canção Nova acolhe Missa na Forma Extraordinária do Rito Romano

16/07/2012 por Everth Queiroz Oliveira

Recentemente a comunidade Canção Nova vem sendo palco de uma verdadeira reforma litúrgica. Como exemplos, poderíamos citar a piedade e sacralidade com que as festas da Semana Santa foram celebradas; e também o zelo com que foi conduzida a solenidade de Corpus Christi. E isto tudo ainda este ano.

Pois bem, no dia de ontem (15), a comunidade de Cachoeira Paulista acolheu a Santa Missa na Forma Extraordinária do Rito Romano – a Missa Tridentina! O Sacrifício foi celebrado pelo reverendíssimo padre Demétrio Gomes, da Arquidiocese de Niterói. Salvem a Liturgia! havia divulgado de antemão esta feliz notícia, avisando que, embora fosse este um grande passo, desta vez a celebração não seria transmitida na televisão. Os que tinham acesso à Internet ontem à noite, porém, tiveram a oportunidade de participar ao vivo deste belíssimo momento de oração. Isto porque o Santo Sacrifício foi transmitido pela Twitcam (e aqueles que não tiveram a oportunidade de assistir ontem, podem assistir, hoje, ao vídeo gravado). Foram publicadas, também na Internet, fotos do evento (agradecimentos ao Rafael Cresci, que disponibilizou as imagens no Facebook), as quais compartilhamos abaixo.

Nova página no blog. História da Igreja Católica

História da Igreja (Palestras Professor Felipe Aquino).

Profº Felipe Aquino

Felipe Rinaldo Queiróz de Aquino, nasceu em lorena em 1949, conhecido como Prof. Felipe Aquino, é um matemático brasileiro e doutor em engenharia mecânica. Atualmente é professor universitário da Faculdade de Engenharia Química de Lorena. Ligado à Renovação Carismatica Católica, atua também como apresentador de programas nas Rádio e TV Canção Nova, além de dedicar-se à pregação em encontros de aprofundamento em finais de semana, no Brasil e exterior, para jovens, noivos e casais. É autor de cerca de 60 livros dedicados à divulgação da doutrina católica.Graduou-se em matemática pela Faculdade de Filosofia de Itajubá, em 1971 Cursou mestrado em Engenharia Mecânica na Universidade Federal de Itajubá (1974) e doutorou-se em Engenharia Mecânica em Guaratinguetá pela Universidade Estadual Paulista Julio de Mesquita Filho no ano de 2001, com tese intitulada Convecção Natural em Cavidades Triangulares. Concluiu o pós-doutorado em 2003 por esta mesma universidade. pelaAtualmente é professor doutor da Faculdade de Engenharia Química de Lorena, onde exerce atividades desde 1976. Foi diretor por mais de 20 anos da FAENQUIL (atual Escola de Engenharia de Lorena – USP). Foi também professor da Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho, de 1976 a 2000, da Fundação de Ensino e Pesquisa de Itajubá (1973-1977), da Faculdade de Filosofia Ciências e Letras de Lorena (1972-1977).Casado há mais de 35 anos e pai de cinco filhos, foi aluno de Dom Estavão Bittencourt, a quem considera seu mestre, doutor e diretor espiritual.
Escritor:
Já escreveu cerca de 78 livros de formação e doutrina católica pelas editoras Cléofas, Edições Loyola, Canção Nova e Raboni.
Livros do Prof. Felipe Aquino (ordem alfabética)

A Igreja (Papa João Paulo II)
A Intercessão e o Culto dos Santos – imagens e relíquias
Alimento Sólido (Editora Canção Nova)
A luta contra a depressão
A Minha Igreja
A Moral Católica
A Mulher do Apocalipse
A Nova Era (Prof. Felipe Aquino – org.)
A Virgem Maria (Papa João Paulo II)
Aborto?… Nunca!…
As sete palavras de Cristo na cruz
Carta aos amigos da Cruz (São Luís de Montfort)
Ciência e fé em harmonia
Coleção Escola da Fé – Vol I – A Sagrada Tradição
Coleção Escola da Fé – Vol II – A Sagrada Escritura
Coleção Escola da Fé – Vol III – O Sagrado Magistério
Coleção Sacramentos (Editora Canção Nova)
Credo do povo de Deus
Educar pela conquista e pela fé
Em Busca da Perfeição
Ensinamentos dos Santos (Prof. Felipe Aquino – org.)
Entrai pela porta estreita
Falsas Doutrinas – seitas e religiões
Família “Santuário da Vida”
Histórias para Meditar (Prof. Felipe Aquino – org.)
Jovem, levanta-te!
Maranathá
Na Escola dos Santos Doutores (Prof. Felipe Aquino – org.)
Namoro
Não vos conformeis com este mundo
O Catecismo da Igreja responde de A a Z (Prof. Felipe Aquino – org.)
O Espírito Santo (Papa João Paulo II)
O Glorioso São José
O Purgatório – o que a Igreja ensina
O que são as indulgências
O Segredo da Sagrada Eucaristia
O Socorro de Deus
Orações de todos os tempos da Igreja
Os Anjos
Os pecados e as virtudes capitais
Os Sete Sacramentos
Para entender A Inquisição
Para entender e celebrar a liturgia
Para ser feliz
Por que sou Católico
Problemas no Namoro (Lançamento)
Relação dos Santos e Beatos da Igreja (Prof. Felipe Aquino – org.)
Sabedoria em Gotas (Prof. Felipe Aquino – org.)
Sabedoria em Parábolas (Prof. Felipe Aquino – org.)
Sede Santos!…
Sereis uma só carne
Só por ti Jesus
Sofrendo na fé
Teologia da Libertação
Uma história que não é contada

Formação Sobre História da Igreja

A História da Igreja na idade Média

A instituicao da Igreja

Em defesa da Igreja

Escola da Fé

Escola da Fé – 06/08/2009 – Ciência e religião

Como a Igreja construiu a nossa civilização Pregação 1

Como A Igreja construiu a nossa civilização Pregação 2

Aulas de História da Igreja

História da Igreja séculos I ao II

História da Igreja século I

História da Igreja – Tempos Bárbaros

História da Igreja – Os Monges e os mosteiros

História da Igreja – A Idade Moderna

História da Igreja – Crise do Papado até a Idade Moderna

História da Igreja – Século X – Século de ferro e outros

História da Igreja – O Estado Pontifício

História da Igreja – Final da Idade Moderna e a Inquisição

Fonte deste material: http://pregacoescatolicasdownloads.blogspot.jp/2010/01/prof-felipe-aquino-felipe-rinaldo.html

Meus comentários: Para quem está em duvida sobre a história da Igreja e tem preguiça de ler, encontrei essas palestras do Professor Felipe Aquino, pessoa pela qual eu tenho uma admiração enorme! Foi através dos livros dele que hoje sou um verdadeiro católico que vai a Santa missa e segue o santo Papa como manda a mãe Igreja.
Escutem os audios e se tiverem algumas dúvidas sobre como baixar os audios para o seu PC ou mesmo IPhone, deixe um comentário e eu responderei com muito prazer!
Fiquem com Deus meus irmãos.

Salve Maria

Governo do Brasil tenta fechar rede de TV católica em conflito existente por causa do aborto

SÃO PAULO, Brasil, 23 de novembro de 2011 (Notícias Pró-Família) — O governo federal do Brasil, atualmente controlado pelo Partido dos Trabalhadores pró-aborto, está tentando fechar a maior rede de TV católica do Brasil em evidente retaliação por remover apresentadores do PT (http://noticiasprofamilia.blogspot.com/2011/11/rede-de-tv-catolica-remove-apresentador.html) da programação.
TV Canção Nova

De acordo com ativistas pró-vida locais, a decisão de atacar a TV Canção Nova parece ser o episódio mais recente de um conflito em andamento entre o governo e a Igreja Católica do Brasil pelo fato de que a Igreja Católica rejeita as políticas pró-aborto e pró-homossexualismo do Partido dos Trabalhadores.

De acordo com os meios de comunicação locais, o Ministério Público Federal entrou com ação civil para revogar as licenças da TV Canção Nova e também da estação católica conhecida como TV Aparecida, pois sua documentação não seguiu os procedimentos adequados quando suas licenças foram concedidas em 1997 e 2001. O MPF nega que sua decisão tenha a ver com o conteúdo da programação das TVs.
Contudo, o ataque contra as estações ocorreu apenas dois dias depois que a TV Canção Nova anunciou que estaria removendo um proeminente político do Partido dos Trabalhadores de sua programação depois de um protesto por parte de católicos por causa do apoio do PT ao aborto legalizado bem como às uniões civis homossexuais e a leis contra a “homofobia”.
Ativistas pró-vida do Brasil acreditam que a estação foi pressionada a aceitar os líderes do Partido dos Trabalhadores depois das calorosas disputas das eleições presidenciais de 2010. Dilma Rousseff, a candidata do Partido dos Trabalhadores, quase perdeu essas eleições devido às posturas polêmicas do PT, as quais foram publicamente denunciadas por bispos e padres católicos.
Um padre da TV Canção Nova denunciou o Partido dos Trabalhadores durante as eleições como pró-aborto, gayzista e marxista e disse que nunca votaria neles, provocando a fúria do PT.
Durante as eleições o governo confiscou materiais que mostravam para o público o ensino da Igreja Católica sobre o direito à vida, e de acordo com as reportagens ameaçou líderes católicos com o cancelamento do tratado do Brasil com o Vaticano, o qual inclui verbas governamentais para as escolas. O confisco foi mais tarde julgado como ilegal por um tribunal do Brasil, embora as eleições já tivessem passado e Rousseff tivesse sido eleita.
Fonte:

Rede de TV católica remove apresentador de programa gayzista depois de campanha de protestos

 

Matthew Cullinan Hoffman

22 de novembro de 2011 (Notícias Pró-Família) — A maior rede de televisão católica do Brasil decidiu acabar com um novo programa polêmico dirigido por um famoso político socialista e gayzista.
A TV Canção Nova cancelou o programa depois de uma campanha de protesto pela internet realizada por telespectadores indignados, liderada pela conta de Twitter #CançãoNovaSemPT.
O programa “Justiça e Paz”, que era transmitido semanalmente desde 3 de novembro, tinha como destaque Edinho Silva, que se anunciava como “sociólogo”, mas que é também líder do Partido dos Trabalhadores do Estado de São Paulo.
Comentaristas católicos rapidamente apontaram para o fato de que Edinho abertamente promove a agenda política gayzista, e dirige um partido que está buscando legalizar o assassinato de bebês em gestação em todo o Brasil, no nome da “saúde pública”.
O site católico brasileiro “Sentir com a Igreja” postou charge retratando Edinho Silva sendo “defenestrado”.
Durante as eleições nacionais do ano passado, a máquina política do Edinho liderou o ataque contra os bispos católicos que buscaram alertar acerca das políticas pró-aborto do Partido dos Trabalhadores, de acordo com Wagner Moura, um dos maiores blogueiros católicos do Brasil.
“O presidente do Partido dos Trabalhadores do Estado de São Paulo é o mesmo que, em 2010, promoveu diretamente a perseguição do documento da Divisão Sul 1 da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil, o qual pede que os católicos não votem em políticos pró-aborto como a presidenta Dilma Rousseff”, escreve Moura.
“Por meio dos advogados do Partido dos Trabalhadores, o presidente foi até o Tribunal Eleitoral para impedir o prosseguimento da impressão dos documentos”, acrescenta Moura. Depois que o documento foi confiscado pelas autoridades, o ato foi declarado ilegal por um tribunal brasileiro.
A descrição do programa que agora está cancelado, chamado “Justiça e Paz”, pode ainda ser encontrada no site da Canção Nova. O programa era apresentado também pelo bispo esquerdista Demétrio Valentini, e iria “discutir temas sociais a partir da doutrina social da Igreja, contida no Catecismo da Igreja Católica. Entrarão em pauta assuntos como democracia, saúde, educação, greves, sindicatos e liberdade religiosa”.
De acordo com o ativista católico brasileiro Antonio Donato, vários outros políticos foram também removidos da programação da TV Canção Nova, inclusive Gabriel Chalita, Eros Biondini, Paulo Barbosa, Myriam Rios e Lu Alckmin.
O site católico brasileiro “Sentir com a Igreja” respondeu à notícia com uma charge retratando Edinho Silva como “defenestrado” (jogado pela janela) da sede da Canção Nova por Jesus e um bispo católico.
Traduzido por Julio Severo: www.juliosevero.com
Copyright © LifeSiteNews.com. Este texto está sob a licença de Creative Commons Attribution-No Derivatives. Você pode republicar este artigo ou partes dele sem solicitar permissão, contanto que o conteúdo não seja alterado e seja claramente atribuído a “Notícias Pró-Família”. Qualquer site que publique textos completos ou grandes partes de artigos de Notícias Pró-Família ou LifeSiteNews.com em português tem a obrigação adicional de incluir um link ativo para “NoticiasProFamilia.blogspot.com”. O link não é exigido para citações. A republicação de artigos de Notícias Pró-Família ou LifeSiteNews.com que são originários de outras fontes está sujeita às condições dessas fontes.

Porque todo Padre deveria obedecer à Igreja e vestir o hábito ou o colarinho romano

1. O colarinho romano é um sinal de consagração sacerdotal ao Senhor. Como um anel de casamento distingue marido e mulher e simboliza a união de que gozam, de mesmo modo o colarinho romano identifica bispos e padres (e muitas vezes diáconos e seminaristas) e manifesta a sua proximidade com o Divino Mestre, em virtude de seu livre consentimento para o ministério ordenado para o qual que tenham sido (ou pode ser) chamado.

2. Pela utilização de roupa do ofício e por não possuir roupas em excesso, o sacerdote demonstra a adesão ao exemplo do Senhor de pobreza material. O sacerdote não escolhe suas roupas – a Igreja o faz, graças a sua sabedoria acumulada ao longo dos últimos dois milénios.

3. Humilde aceitação do desejo da Igreja que o sacerdote ao vestir  a batina e o colarinho romana ilustra por uma apresentação saudável à autoridade e conformidade com a vontade de Cristo, expressa através da sua Igreja.

4. A lei da Igreja exige que clérigos usem roupas clérigas, conforme número 66 do Diretório para sacerdotes, que se cita no cânon 284.

5. O uso do colarinho romano é um desejo repetido ardente pelo falecido papa João Paulo II. O desejo do então Santo Padre, hoje beatificado, a esse respeito não pode ser sumariamente demitido, ele fala com um carisma especial na função de líder da Santa Igreja. Ele freqüentemente lembrava aos sacerdotes o valor do uso do colarinho. Em uma carta datada aos 8 de setembro de 1982 ao Cardeal Ugo Poletti, seu vigário para a Diocese de Roma, o Pontífice instruiu-o a promulgar normas sobre o uso do colarinho romano e hábito religioso, observou que a veste clériga é valiosa, “não só porque contribui para a adequação do padre em seu comportamento externo ou no exercício do seu ministério, mas sobretudo porque dá evidência dentro da comunidade eclesiástica do testemunho público ao qual cada sacerdote é chamado a dar de sua própria identidade e que pertencem especialmente a Deus.

6. “Em uma homilia em Novembro 1982, o Papa dirigindo-se a um grupo de diáconos transitórios os quais ele estava prestes a ordenar ao sacerdócio, disse que se eles tentassem ser como outra pessoa qualquer em seu “estilo de vida” e na “maneira de vestir”, então sua missão como sacerdotes de Jesus Cristo não poderia ser plenamente realizada.

7. O colarinho romano impede “mensagens contraditórias”; outras pessoas irão reconhecer as intenções do padre quando ele se vê no que poderia parecer circunstâncias comprometedoras. Vamos supor que um padre seja obrigado a fazer visitas pastorais a prédios de apartamentos diferentes em uma área onde o tráfico de drogas ou prostituição é prevalecente. O colarinho romano envia uma mensagem clara a todos que o padre chegou para ministrar aos doentes ou necessitados em nome de Cristo. Especulações ociosas podem ser desencadeadas por um sacerdote conhecido por moradores do bairro ao visitar casas apartamentos vestido como um leigo.

8. O colarinho romano inspira outros a evitarem a imodéstia no vestir, bem como palavras e ações e lembra-nos da necessidade de decoro público. Um padre alegre, mas diligente e sério, pode obrigar aos outros a fazerem um balanço da maneira pela qual se conduzem. O colarinho serve como um desafio necessário para tempos de afogamento na impureza, exibida pela vestes sugestivas, pelo discurso blasfemo e ações escandalosas.

9. O colarinho romano é uma ‘proteção’ para a vocação ao lidar com fiés do sexo oposto. Um padre sem seu colarinho (e, naturalmente, não usando uma aliança de casamento) pode parecer um alvo atraente para os afetos de uma mulher solteira à procura de um marido, ou para uma mulher casada tentada a infidelidade.

10. O colarinho romano oferece uma espécie de “salvaguarda” para si mesmo e fornece um lembrete para o próprio sacerdote de sua missão e identidade: testemunhar a Jesus Cristo, o Grande Sumo Sacerdote, como um de seus irmão-sacerdotes.

11. Um padre em um colarinho romano é uma inspiração para outros que pensam: “Aqui esta um discípulo moderno de Jesus.” O colarinho fala da possibilidade de fazer um compromisso sincero e duradouro com Deus. Fiéis de diversas idades, nacionalidades e temperamentos vão notar a virtuosa vida centrada no próximo que o homem que de bom grado e orgulhosamente veste a roupagem de um padre católico e, talvez, venham a perceber que eles também podem consagrar-se denovo, ou pela primeira vez, ao amoroso Bom Pastor.

12. O colarinho romano é uma fonte de intriga benéfica para os não-católicos. A maioria dos não-católicos não têm experiência com os ministros que vestem trajes clericais. Portanto, os sacerdotes católicos em virtude de suas vestes podem levá-los a refletir – mesmo que seja apenas de um modo superficial – sobre a Igreja e o que ela implica.

13. Um sacerdote vestido como a Igreja quer é um lembrete de Deus e do sagrado. O pântano secular vigente não é gentil com as imagens que conotam o Todo-Poderoso, a Igreja, etc… Quando alguém usa o colarinho, os corações e mentes dos outros são invariavelmente elevados ao “Ser Superior”, que geralmente é relegado a uma nota pequena na agenda da cultura contemporânea.

14. O colarinho romano é também um lembrete para o padre que ele “nunca é não um sacerdote.” Com tanta confusão prevalecente hoje, o colarinho pode ajudar o sacerdote a evitar as dúvidas internas a respeito de quem ele é. Dois guarda-roupas diferentes podem facilmente suscitar – e muitas vezes o fazem – a dois estilos de vida, ou mesmo duas personalidades distintas.

15. Um padre em um colarinho romano é uma mensagem de vocação ambulante. A visão de um padre, alegre feliz com confiança andando na rua pode ser um ímã a atrair jovens a considerarem a possibilidade de que Deus está lhes chamando ao sacerdócio. Deus faz o chamado, o sacerdote é simplesmente um sinal visível que Deus usará para atrair os homens para si.

16. O colarinho romano faz com que o padre esteja disponível para os Sacramentos, sobretudo da Confissão e da Unção dos Enfermos, e em situações de crise. Porque o colarinho dá reconhecimento imediato, sacerdotes que usam-no tornam-se mais aptos a serem abordados, particularmente quando seriamente necessário. Adeptos ao colarinho podem testemunhar quanto a serem solicitados para os Sacramentos e convocados para assistência em aeroportos, cidades populosas e vilarejos isolados, pois foram imediatamente reconhecidos como sacerdotes católicos.

17. O colarinho romano é um sinal de que o padre está se esforçando para tornar-se santo, vivendo a sua vocação sempre. É um sacrifício de fazer-se sempre disponível a todas as almas, pois são publicamente identificados como um sacerdotes, mas esse é um sacrifício agradável a Nosso Divino Senhor. Somos lembrados de como o povo veio a ele, e como ele nunca os rejeitou. Há tantas pessoas que serão beneficiadas pelo sacrifício do padre que incessantemente luta para ser santo.

18. O colarinho romano serve como um lembrete para aqueles católicos “alienados” não se esquecerem de sua situação irregular e de suas responsabilidades para com o Senhor. O padre é uma testemunha – para o bem ou para o mal – a Cristo e sua Santa Igreja. Quando um “decaído” vê um padre, ele é estimulado a lembrar que a Igreja continua a existir. Um padre alegre fornece um lembrete salutar da Igreja.

19. O uso de roupa clerical às vezes é um sacrifício, especialmente em climas quentes. A melhores mortificações são aquelas que não procuramos. Submeter-se ao desconforto do calor e da umidade pode ser uma reparação maravilhosa para os nossos próprios pecados, e um meio de obter graças para nossos paroquianos.

20. O colarinho romano serve como um “sinal de contradição” para um mundo perdido no pecado e rebeldia contra o Criador. O colarinho torna-se uma poderosa declaração: o padre enquanto um alter Christus aceitou mandato do Redentor para levar o Evangelho para a praça pública, independentemente do sacrifício pessoal.

21. O colarinho romano ajuda aos sacerdotes a evitarem o ‘plantão’, a mentalidade de ‘folga do serviço sacerdotal’. Os números 24 e 7 devem ser os seus números especiais: sacerdotes são sacerdotes, 24 horas por dia, 7 dias por semana. São sacerdotes, não os homens que se engajam na “profissão de sacerdote.” Dentro ou fora de serviço, o sacerdote deve estar disponível a quem Deus possa enviar no seu caminho. As “ovelhas perdidas” não fazem agendamento.

22. Os “oficiais” do exército de Cristo devem ser identificáveis como tal. Tradicionalmente, temos observado que aqueles que recebem o sacramento da Confirmação se tornam “soldados” de Cristo, são católicos adultos prontos e dispostos a defender seu nome e sua Igreja. Aqueles que são ordenados diáconos, padres e bispos também devem estar preparados para pastorearem o rebanho do Senhor. Aqueles padres que usam o colarinho romano manifestam o seu papel inequivocamente como líderes na Igreja

23. Os santos nunca aprovam uma abordagem da abstinência das vestes sacerdotais. Por exemplo, Santo Afonso de Ligório (1696-1787), patrono dos moralistas e dos confessores, em seu estimado tratado Dignidade e Deveres do Sacerdote, insta o uso apropriado de vestes clericais, afirmando que o colarinho ajuda tanto sacerdote quanto aos fiéis a recordar o sublime esplendor do estado sacerdotal instituído pelo Deus-Homem.

24. A maioria dos católicos espera que os seus sacerdotes se vistam de acordo. Sacerdotes há muito tem dado uma grande medida de conforto e segurança ao seu povo. Enquanto jovens, os católicos são ensinados que o padre é o representante de Deus – alguém em quem se pode confiar. Assim, o Povo de Deus quer saber quem são esses representantes são e o que eles representam. O costume de usar vestes distinguíveis foi sancionado durante séculos pela Igreja, não é uma imposição arbitrária. Os católicos esperam que os seus sacerdotes vistam-se como padres e comportem-se em harmonia com o ensinamento prática da Igreja. Como temos dolorosamente observado ao longo dos últimos anos, os fiéis são especialmente incomodados e prejudicados quando os sacerdotes desafiam a autoridade legítima da Igreja, e ensinam e agir de forma inadequada e até mesmo desobediente.

25. A vida de um padre pertence a Deus de uma maneira especial, ele é enviado para servi-lo com sua vida. Quando acordamos todas as manhãs, devemos dirigir o nosso pensamento para o nosso Deus amoroso, e pedir a graça de servi-lo bem naquele dia. De uma forma especial, os padres devem lembrar-se do seu status como Seus servos, escolhidos por colocar o traje que proclama para que todos possam ver que Deus ainda está trabalhando neste mundo através do ministério de pobres homens pecadores.

Adaptado do artigo por Corageous Priest – 25 reasons to wear the Roman Colar
 
Fonte:http://igrejamilitante.wordpress.com/2011/06/24/porque-todo-padre-deveria-obedecer-a-igreja-e-vestir-o-habito-ou-o-colarinho-romano/

Dons de Línguas não se fabricam

“Apareceu-lhes então uma espécie de línguas de fogo que se repartiram e pousaram sobre cada um deles. Ficaram todos cheios do Espírito Santo e começaram a falar em línguas, conforme o Espírito Santo lhes concedia que falassem” (At 2,3-4).
Introdução
A Fé católica sempre foi calcada na Tradição, na Escritura e no Magistério da Igreja. Estes pilares transformaram a vida de centenas de gerações de cristãos. De modo especial estes cristãos buscaram nos Sacramentos da Santa Igreja a fonte inesgotável da Graça de Deus. Em nosso tempo esta espiritualidade foi desvirtuada a ponto de se ensinar a fabricar dons do Espírito Santo.
Dom e Graça
Graça é um favor gratuito de Deus. Deus concede Sua Graça aos seus filhos não por merecimento destes, pois não merecemos nem o Amor Dele, mas porque Ele que é nosso Pai nos ama até o ciúme (cf. Ez 38,19).
Por Graça Deus nos presenteia, e nos santifica. Isto é o Dom. Dom é um presente que Deus nos dá por meio de Sua Graça infinitamente amorosa. Dons não se fabricam.
Grupos Carismáticos ensinam fiéis a fabricar Dons de Línguas
Em At 2,3-4, a Escritura Sagrada dá testemunho de que é por meio do Espírito Santo que Deus concede o Dom de Línguas.
São Paulo ensina isso aos coríntios: “Aquele que fala em línguas não fala aos homens, senão a Deus: ninguém o entende, pois fala coisas misteriosas, sob a ação do Espírito” (1Cor 14,2).
Mas, muitos grupos carismáticos têm ensinado os fiéis a falar em línguas! Isto é um claro absurdo, pois se o Dom vem do Espírito Santo não pode ser ensinado e nem fabricado.
Um amigo que freqüentou por muito tempo reuniões carismáticas, disse-me que certa vez quando participava de uma destas reuniões, estava meio desconcertado, pois não fala em línguas. Então um líder do grupo que estava ao seu lado disse-lhe “me remeda aí”. É mole ou querem mais?
Mais triste que isso é ver sacerdotes, homens consagrados ao Serviço de Deus, utilizarem veículos de comunicação em massa para ensinar fiéis católicos a fabricar dons de línguas. Por mais louváveis que sejam suas intenções, acabam conduzindo os fiéis ao erro.
Que espírito realmente inspira estas distorções?
Digo com toda segurança que o espírito que inspira tais monstruosidades não é o Espírito Santo. É o espírito humano, orientado, ou melhor, desorientado por uma falsa espiritualidade.
A verdadeira espiritualidade é católica e esta é como o ponteiro da bússola que sempre aponta para o norte da Tradição, da Escritura e do Magistério da Igreja. Ela se confirma nesta direção através da Graça dispensada pelos Sacramentos da Igreja e de uma vida cristã autêntica.
Foi através desta verdadeira espiritualidade que a Santa Igreja Católica deu ao mundo o testemunho de centenas de gerações de Santos. O ponteiro da bússola deles nunca esteve apontado para o misticismo das seitas ou das falsas religiões. Ao contrário, esteve firme na Doutrina Tradicional da Santa Igreja, verdadeiro tesouro que enriquece e ilumina a inteligência do homem.
Quando este ponteiro aponta para outro lugar, desorienta quem está de posse da bússola. Pois confiando no seu apontamento, acaba por conduzir-se por uma direção que não o levará ao destino querido por Deus, o Céu.
Conclusão
Bússola que desorienta os fiéis, isto é, cujo ponteiro da espiritualidade não aponta para o Norte da Doutrina Tradicional da Santa Igreja, não é católica. É uma falsa bússola, pois não atende ao fim para o qual foi designada: orientar. Orientar vem de oriente, apontar para o oriente, para onde nasce o Sol. Somente a Doutrina Tradicional da Igreja apresenta a Verdadeira Luz que é Cristo Jesus.
Rogo à Santa Maria Auxiliadora para que ajude seus filhos a descobrir que o Verdadeiro tesouro espiritual está na Tradição e que os verdadeiros dons vêm do Espírito Santo através dos Sacramentos. As vidas das dezenas de milhares de Santos da Igreja dão testemunho disto com toda certeza.