Arquivos do Blog

Aprendendo o Latim (Parte V)

Publicada por Cleiton Robson.
Pedro disse a verdade ao Pai.
Nesta frase, a expressão “ao pai” completa ainda mais o sentido do predicado. Disse a verdade a quem? Este outro objeto do verbo será a ele unido por meio de uma preposição, a. No primeiro caso – objeto direto – havia apenas o artigo – a verdade. Agora temos a+o pai, isto é, uma preposição a foi juntada ao artigo o. Então se diz que a ação do verbo passou ao outro elemento da frase por meio de uma preposição, isto é, não diretamente, mas indiretamente, por isso chama-se objeto indireto.
Pedro disse com franqueza a verdade ao pai.
A oração foi enriquecida com mais um detalhe que indica a maneira, o modo, o estado de espírito com que Pedro disse a verdade ao pai. O elemento da oração que indica alguma circunstância é chamado de adjunto adverbial. No caso, é um adjunto adverbial de modo, isto é, expressa a maneira, o modo como Pedro disse a verdade. Mas há também os adjuntos circunstanciais de tempo, lugar, intensidade, etc.
Pedro disse com franqueza a verdade do fato ao pai.
Um elemento novo  – de fato – enriqueceu ainda mais a oração. Não se trata de uma verdade qualquer, mas da verdade de um determinado fato. Houve uma restrição na generalidade do termo verdade. Por isso se diz que do fato é complemento nominal restritivo, porque complementou o sentido do nome – verdade – restringindo-lhe o âmbito.
Pedro disse ao pai, com franqueza, a verdade do fato lastimável.
Como você vê, a oração está crescendo com novos elementos. cada elemento excerce uma função diferente. Na ordenação de uma oração, os termos se unem uns aos outros para formar um sentido geral. Por isso é que se diz sintaxe (do grego, ordem conjunta), ordem na qual os termos se unem uns com os outros [syn (com)+taxe (ordem]. Agora, mais um termo foi acrescentado para qualificar o nome fato. O fato poderia ser agradável, feliz, mas aqui é lastimável. Esta função de um adjetivo (lastimável) que qualifica um substantivo (fato), chama-se em análise sintática, adjunto adnominal, isto é, um termo que se coloca junto (ad) a um nome para o  modificar, qualificar ou determinar.
Resumindo, os objetos, diretos e indiretos, só complementam verbos; adjuntos e complementos nominais, só nomes, e os adjuntos adverbiais referem-se a circunstâncias.

Aqui a oração do Pai Nosso, e em seguida, em gregoriano:

download AQUI

Pater noster, qui es in caelis: sanctificetur nomen tuum; adveniat regnum tuum; fiat voluntas tua, sicut in caelo et in terra. Panem nostrum cotidianum da nobis hodie; et dimitte nobis debita nostra, sicut et nos dimittimus debitoribus nostris; et ne nos inducas in tentationem; sed libera nos a malo. Amen.

d) A pronúncia Restaurada.


Há, finalmente, a pronúncia restaurada, que busca falar o latim como teria sido pronunciado pelos autores da época clássica, como Cícero e César, aliás, kíkero e káesar.
A pronúncia restaurada é adotada, para mútua compreensão, nos encontros europeus e internacionais.
Vejamos suas principais características:
• Nos ditongos ae e oe, ambas as vogais são pronunciadas. No que diz respeito ao primeiro, continuo a preferir a pronúncia mais fácil, e, como no latim eclesiástico. Aliás, na história do latim, esse ditongo cedo desapareceu, substituído por e. Varrão já observara que o povo dizia Mesium, e não Maesium: “rustici Mesium dicunt, non Maesium”.
• As consoantes “c” e “g” são sempre guturais, mesmo antes das vogais “e” e “i”. Leia-se, portanto, kíkero, em vez de cícero; késar, em vez cezar; agnus, em vez de anhus.
• O “h” é pronunciado com leve aspiração.
• O “j” tem som de “i”.
• O “r” é sempre brando.
• O “s” é invariavelmente pronunciado como em “sim”.
• A sílaba ti, precedendo vogal, lê-se tal como escrita, donde: grátia, e não, grácia; skientia, e não, ciência.
• O “v”, consoante precedendo vogal, tem som de “v”, embora haja quem lhe atribua o som de u, que aliás resulta horrível, como em “uiuo”, em vez de “vivo”.
• O “x” soa como “cs”.
• O “y”, como o “u” da língua francesa.
• O “z”, como “ds”.

A Igreja esta sob ataque

A história Católica vem sendo contada pelas pessoas erroneamente. Nós precisamos contar nossa própria história…” Padre Robert Barron.

Catholicism Project (Projeto Catolicismo), é um projeto que pretende elaborar e distribuir uma série de documentários que vem sendo produzida há mais de dois anos e que tem data de lançamento mundial para setembro deste ano.
Filmada em mais de 50 lugares, em 15 diferentes países (inclusive o Brasil), esta série épica pretende contar através de uma viagem por diversos lugares do mundo, assuntos da Igreja, como teologia e liturgia!!
“Em Setembro de 2011, testemunhe a Fé Católica como você nunca viu antes!

Testemunhe a História!
Testemunhe a Força!
Testemunhe a Beleza!
Testemunhe a Alegria!”

Clique nas imagens para ver o trailer…

Uma colaboração: Leandro Capriot Manso

http://leandrocmanso.blogspot.com/

Pelo ventre de nossas mulheres nós vamos conquistar a Europa. O islão irá de-Cristianização da Europa?

Fonte: http://igrejamilitante.wordpress.com/2011/07/15/pelo-ventre-de-nossas-mulheres-nos-vamos-conquistar-a-europa-o-islao-ira-de-cristianizacao-da-europa/#comment-220

Entendendo a Inquisição I: – A Igreja após a queda de Roma

Antes de falarmos diretamente sobre Inquisição, é preciso que entendamos como a Igreja estabeleceu-se de maneira tão profunda na cultura européia.

É sabido por artigos anteriores que os primeiros católicos foram severamente perseguidos por Roma nos primeiros séculos da era cristã. Motivados pelo fato de os cristãos não aderirem aos cultos pagãos (em sua maioria a própria figura divinizada do imperador) e professarem uma fé universal (por isso católica) em Cristo Jesus, os romanos atiravam cristãos aos leões nos circos e arenas promovendo espetáculos que tinham intuito de promover entendimento e coibir a conversão ao cristianismo.

Porem, como disse o escritor Tertuliano, convertido ao cristianismo depois de muitos anos combatendo-o veementemente, “O sangue dos mártires é a semente dos cristãos”. Assim, cumpria-se cada vez mais a promessa de Nosso Senhor a Pedro, garantindo que as portas do inferno não prevaleceriam e nem prevalecerão sobre a Igreja (Mt 16,18).

O fruto desta Santa Resistência foi colhido apenas no século IV, quando o imperador Constantino no ano de 313 declarou licito o culto cristão e além disso o tornou religião oficial do Estado.

Porem, crises financeiras e muitas disputas internas e externas por poder faziam com que o império se enfraquecesse. Os frutos deste enfraquecimento foram diversas guerras internas que inicialmente dividiram o império romano em dois. O Ocidental, com capital em Roma e um Oriental, com capital em Constantinopla.

Este enfraquecimento fez com que diversas invasões de povos Bárbaros (palavra oriunda de blá-blá-blá, ou seja, povos que falavam línguas que não se compreendia em Roma) vindos de todas as direções e que avançavam aos poucos pelas fronteiras do Império Romano Ocidental.

Godos, ostrogodos, visigodos, suevos, francos, germânicos, eslavos (compreendendo centenas etnias e tribos diferentes), vândalos, saxões, anglos, unos são exemplos de tribos bárbaras que aos poucos foram conquistando a Europa, reduzindo assim as fronteiras até o ponto de tomarem a capital romana oriental em 476 dc, o bárbaro Odorico depôs Rômulo Augusto e proclamou-se “patrício” dos romanos.

Um longo processo de modificação do império teve inicio, sempre embaixo de guerras sangrentas, cruéis perseguições, massacres, intolerância que moldaram o que viria a ser a sociedade medieval dos séculos seguintes.

Você pode estar se perguntando, como a Igreja se enquadrou neste turbilhão de transformações politicas, sociais, ideológicas e religiosa.

Sem duvida nenhuma se hoje você está lendo este artigo, seja você católico ou não, deve muito a Santa Igreja de Cristo. O fato de ela ser Católica (professa a mesma fé da mesma maneira em todos os lugares, ou seja, universal) foi vital para que a sociedade ocidental que conhecemos hoje se estabelecesse.

Todos esses povos que citamos acima, estavam longe de viverem em harmonia entre si. É fato conhecido que inúmeras e violentas guerras entre estas tribos foram travadas e a ação pacificadora da Igreja foi fundamental para que a paz fosse estabelecida entre esses povos.

Outra coisa que é importante lembrar é que todos esses povos eram nômades, isto é, viviam em acampamentos temporários, consumindo os recursos de uma determinada região e quando estes se esgotavam, dirigiam-se para outro lugar, o que gerava conflitos com possíveis grupos que por acaso já estivesses na região. Não havia cultura entre esses povos. Arte e ciências eram extremamente escassas, assim como tratamentos de saúde, educação, e serviços básicos que os romanos já a muito gozavam.

Neste cenário, o conhecimento arreigado pela Igreja de agricultura, letras, ciências e medicina propiciaram que esses povos se fixassem em um local (sedentarismo), extinguindo a necessidade de deslocamentos e guerras por territórios provisórios.

Já no século III, um movimento maravilhoso surgiu no seio da igreja. O monaquismo (vida em regime monastico, ou seja, como um monge). Porem foi no século IV e V que o movimento se expandiu com força extraordinária, muito em função de um gigante da Igreja e com certeza uma das pessoas mais influentes e importantes da história humana. Este homem foi São Bento (480-547) que com sua humildade, cultura extraordinária e sua Regra propiciaram a crianção de um método simples e muito efetivo de evangelização e educação dos povos bárbaros, unindo-os pela fé no Cristo e na Santa Igreja.

Foram os Beneditinos (Monges Seguidores da regra de São Bento) que literalmente colonizaram a Europa, aplacando conflitos e divergencias sociais.

Em nossos dias, podemos ver que diversas cidades européias tem seu marco zero um mosteiro, uma paróquia ou uma catedral (Pariz – Notre-Dame; Londres –Canterbury; Cassino – Abadia Monta Cassino, dentre outras) . Isto acontecia pelo fato desses monastérios possuirem escolas, hospitais, artes e catequese acessíveis a todos os níveis sociais.

Os monges ensinaram os bárbaros o cultivo da terra, leitura, escrita, artes, mossonaria (arte de construir com blocos de pedra, tijolos e alvenaria), ciência naturais e exatas (engenharia, geometria e matemática).

Não é dificil assim vermos que toda sociedade a partir da alta idade média (476-1000 DC) foi construída sobre as bases fundamentais do cristianismo católico e sem ele, a sociedade bárbara iria se auto-destruir por seus métodos violentos e desumanos.

É importante ver que muitos destes resquicios, apensar dos grandes esforços da Igreja, continuaram por muitos e muitos séculos subsequentes, impelindo a Igreja a combater tais costumes de maneira veemente e incansável.

Ficamos por aqui. Espero que este artigo seja de muita utilidade para você amigo leitor intender a importância da Santa Igreja de Cristo para a história do mundo ocidental e os motivos pelo qual o Estado e a Igreja eram tão interligados. Afinal, sem a universalidade(catolicismo) da igreja, provavelmente o mundo seria bem diferente do que conhecemos hoje.

No próximo artigo, abordaremos o comportamento social, politico e judicial na Idade Média. Iremos abordar a mentalidade popular deste período, costume e ver descobrir por quê alguns métodos jurídicos e penais atribuídas de maneira erronea a Igreja na Inquisição eram na verdade costumes bárbaros cuja Igreja era veemente contrária e feroz combatente, ao ponto de excomungar reis e membros do alto escalão da nobresa da época.

Um abraço a todos e até o próximo artigo. Que o amor do Pai, a comunhão do Filho e a fortaleza do Espirito Santo estejam com todos vocês!!!

Fontes:CARDINI, Franco – Atlas Histórico do Cristianismo para Jovens – Editora Cidade Nova – São Paulo – 2007.Wikipedia: http://wikipedia.org.brWoods, Thomas E. – How the Catholic Church Built the Western Civilization – Ragnery Publishing Inc – 2005
Fontes:

* CARDINI, Franco – Atlas Histórico do Cristianismo para Jovens – Editora Cidade Nova – São Paulo – *

* 2007.Wikipedia: http://wikipedia.org.br

*Woods, Thomas E. – How the Catholic Church Built the Western Civilization – Ragnery Publishing Inc – 2005
Autor:RODOLPHO NICOLAU DA LUZ LORETO
Editor:Pardal

Fonte:http://www.veritatis.com.br/apologetica/artigospapaprimado/963-entendendo-a-inquisicao-i–a-igreja-apos-a-queda-de-roma